Elisa Dantas

Elisa Dantas

Colunista do site SuperVasco

Compartihe esta Coluna

A importância de um CT e as primeiras impressões sobre Paulo Autuori

Em 30/03/2013 18:58
 

Depois de muitos anos o Vasco conseguiu um grande feito, um centro de treinamento para o nosso futebol profissional. Nos últimos anos o cruzmaltino vem treinando em São Januário, no Ciaga ou até mesmo no Centro de Treinamento do clube do Zico. No início de 2000 chegamos a treinar no Vasco-Barra, que era um centro de treinamento alugado, mas acabou sendo despejado por falta de pagamento, assim, como o Flamengo que foi expulso do local no final da década de 90.

Têm vários motivos que fazem um centro de treinamento ser algo positivo. A localização será mais perto dos jogadores, os atletas não estarão mais envolvidos no meio da crise politica vascaína vivente nos dias de hoje e que só tende a piorar no ano que vem com as eleições que irão ocorrer no final de 2014. Além disso, precisamos de paz e tranquilidade para trabalhar. Os torcedores não poderão mais ir aos treinos, o que neste momento acredito ser a melhor das decisões.

Com a nossa nova casa, podemos aí sim, começar a pensar em um futuro melhor. Com um time pronto e um novo espaço, podemos tentar mudar a rotina de treinamento. Atualmente os atletas que hoje treinam na parte da manhã, fariam um coletivo e já na parte da tarde poderia ser feito um trabalho especifico com cada uma das posições. Dessa forma, o sistema defensivo e ofensivo seria trabalhado nas semanas em que não houver jogos na quarta ou na quinta-feira.

Dessa forma, em um tempo não muito longo já seria possível perceber as mudanças dentro de campo. A equipe com toda certeza teria um maior poder de marcação, já que os jogadores sabem o que deve ser feito no momento que estivermos sem a bola. Além disso, com toda certeza no sistema ofensivo teria uma maior facilidade, uma troca de passes mais rápida e dessa forma nosso poderio de ataque acabaria sendo bem  maior.

Muitos podem ser contrários a deixar de treinar em São Januário, mas por diversos motivos, ainda mais para preservar o gramado que é necessário, é importante que o time passe  a treinar um outro lugar.  Precisamos de tranquilidade para trabalhar, o que necessariamente não temos no local onde treinamos diariamente. 

É inadmissível que em pleno século XXI o treino termine mais cedo porque “torcedores” invadiram o gramado para protestar e reclamar com os jogadores. Isso faz com que os atletas não tenham tranquilidade para trabalhar, o que certamente não irá acontecer na nossa nova “casa”, já que lá diferentemente do que acontece em nossa sede social, em que os sócios podem acompanhar os treinamentos, lá isso não será mais permitido. Teremos toda a privacidade para trabalhar.

O centro de treinamento que será inaugurado no ano que vem é mais um passo do processo de profissionalização que vem acontecendo no clube desde 2009, mas foi paralisado em 2012 e foi retomado no início deste ano com a volta de Cristiano Kohler, contrato para ser o CEO do Vasco, que juntamente com René Simões, Ricardo Gomes e agora Paulo Autuori vem tentando fazer o Vasco reencontrar o caminho das vitorias e dos títulos.



Paulo Autuori e as primeiras impressões



Ainda não é possível avaliar o trabalho de Paulo Autuori à frente do time. Ainda continuamos mostrando os mesmos problemas das partidas contra Botafogo, Volta Redonda e Nova Iguaçu. A maioria dos jogadores demonstra total falta de confiança em sim mesmos,e pasmem, alguns demonstram uma nítida falta de vontade.

Todos, eu disse, todos os jogadores titulares não estão vivendo um bom momento e poderiam estar rendendo bem mais do que estão jogando atualmente. Uma das únicas surpresas nesse inicio de ano são as boas partidas do goleiro Alessandro que fez o torcedor do Vasco não sentir saudades de Fernando Prass, a cada partida o camisa 12 mostra porque merece ser o titular.

Acredito que essa semana sem partidas será muito importante para levantar o ânimo dos jogadores e para que o Autuori possa analisar melhor o elenco e começar a reorganizar o time taticamente dentro de campo, já que hoje não existe tática alguma.

Acredito que seria bom também que ele fizesse ao menos três mudanças na equipe  a primeira seria a saída do Thiago Feltri para entrada do Yótun, a segunda alteração seria colocar o Elsinho que é um excelente lateral ofensivamente falando, que é o que precisamos agora no lugar do Nei. A última a troca é a saída de Eder Luis pelo jovem e veloz  Thiaguinho que nos poucos  minutos que esteve em campo com a camisa cruzmaltina mostrou uma certa habilidade, mas em alguns momentos acabou se atrapalhando. Outra mudança que pode ser questionada seria a saída do Fellipe Bastos para a volta do Abuda.

O time melhorou um pouquinho, mas os jogadores ainda demonstram uma enorme falta de confiança. Uma vitória diante do Botafogo na quarta-feira seria essencial. E, quem sabe, uma vitória contra o Botafogo não pode ser o inicio de uma caminhada para um bom ano de 2013.



Elisa de Vicq de Souza Dantas

*Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do SuperVasco.

fale com o colunista