Antes invicto, Vasco é grande mais derrotado na Série B

Em 16/10/2016 12:38
 

O mundo do Vasco está de cabeça para baixo. O time que começou a temporada atropelando rivais cariocas, venceu o estadual invicto e alcançou a maior série sem derrotas de sua história, com 34 partidas, chega ao fim do ano também estabelecendo novas marcas. Agora, negativas. O revés por 2 a 1 para o CRB, sábado, em São Januário, não apenas permitiu que o Atlético-GO abrisse quatro pontos no topo da tabela da Série B. Transformou também o Cruz-Maltino em clube grande com mais derrotas na história da competição: nove. E essa é só a mais impactante de uma série de estatísticas decepcionantes dos vascaínos na Segunda Divisão.

Com exceção do Fluminense, por motivos óbvios - foi rebaixado para Série C em 1998, mas a disputa tinha formatos bem diferente, com apenas dez partidas disputadas -, nenhum outro grande foi tão mal em uma disputa de Série B. Para piorar, levando em conta os moldes atuais - desde 2006 -, as marcas mais próximas negativamente na 31ª rodada são do próprio Vasco, em 2014. A esta altura da competição, o time de Jorginho é o que menos marcou pontos - os mesmos 54 de dois anos atrás -, o que mais sofreu gols e, naturalmente, o que mais perdeu. Leva a melhor sobre o time que subiu na terceira colocação somente em gols marcados: 47 a 43.

Apenas o 11º colocado no segundo turno, com 15 pontos em 33 disputados, o Vasco deixou o Botafogo para trás como grande mais derrotado na Segunda Divisão. Em números absolutos, também é difícil imaginar que o clube não se torne o mais vazado em uma única edição. Faltando sete jogos, é o terceiro, com 35 gols sofridos, um a menos que os vascaínos de 2014 e quatro a menos que o Atlético-MG, campeão em 2006.

  Com 19 pontos conquistados em 21 possíveis nas sete primeiras rodadas, a meta estabelecida nos corredores de São Januário era superar a campanha do Corinthians em 2008, a melhor da história da Série B. Vinte e quatro jogos depois, porém, a diferença é gigantesca. Na 31ª rodada, o Timão tinha 67 pontos, 79 gols marcados, 29 sofridos e somente duas derrotas. Choque de realidade para um time que empolgou no primeiro semestre e caiu vertiginosamente de rendimento no segundo, principalmente depois da paralisação durante as Olimpíadas.

   - Fomos vaiados, mas não podemos esquecer o trabalho que fizemos. Ganhamos dos três grandes clubes do futebol brasileiro e carioca, ganhando um campeonato invicto convencendo, jogando muito bem. Fizemos o planejamento para a parada (durante a Olimpíada), mas não conseguimos manter o nível de atuações. A equipe teve uma queda - avaliou Jorginho após a quarta derrota em São Januário pela Série B.

O primeiro semestre digno de aplausos, entretanto, deu ao Vasco a gordura necessária para seguir tranquilo quanto ao acesso. Vice-líder com 54 pontos, são 86% de probabilidade de retorno à Série A, de acordo com o matemático Tristão Garcia. Com quatro pontos a menos que o Atlético-GO, o Cruz-Maltino tem cinco a mais que o Bahia, quinto colocado, e viaja até Cariacica, no Espírito Santo, para encarar o Paraná, no Kléber Andrade, sábado, às 16h30 (de Brasília), pela 32ª rodada.