Árbitro relata ofensas de Euriquinho, Rodrigo e arremessos de objetos

Em 22/09/2016 09:13
 
Rodrigo lesionadoRodrigo lesionado
Foto: Kaio Machado

O Vasco pode sofrer algum tipo de sanção e perder mando de campo caso seja denunciado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Após o empate em 2 a 2 com o Santos, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, que determinou a eliminação do time, a torcida arremessou objetos no campo de São Januário, que foram relatos pelo árbitro Jean Pierre Gonçalves de Lima na súmula do confronto.

Um tênis e um chinelo foram jogados em direção ao quarteto de arbitragem. Após o incidente, o filho do presidente Eurico Miranda, o Euriquinho, também foi citado no relatório, porque chamou o quarto árbitro e o inspetor da partida de “ladrões”.

“Devo relatar que no momento da saída do quarteto de arbitragem do campo de jogo, após o término da partida, foi arremessado em nossa direção um calçado (tênis) e uma sandália (chinelo havaiana) vindos da torcida do CR Vasco da Gama. Foi relatado pelo quarto árbitro, Sr. Diego Real, e o inspetor de arbitragem, Sr. Nilson Monção, que ao irem ao vestiário da equipe do CR Vasco da Gama, ao final da partida para o recolhimento da assinatura do capitão da equipe no relatório disciplinar, foram ofendidos pelo Sr. Eurico Brandão com as seguintes palavras, aos gritos: “Pega ladrão, tem ladrão no vestiário. Guardo o relógio, guarda a carteira. Vocês têm que sair no camburão. Isso é uma vergonha. O mundo dá voltas, iremos nos encontrar pelos aeroportos. É vocês mesmo que estava em outros jogos. Vocês são tudo ladrão”, relatou o juiz.

Na mesma súmula, o árbitro citou o zagueiro Rodrigo, que foi expulso ao término da partida por ofender Jean Pierre de Lima, conforme consta no relatório. O jogador teria chamado o árbitro de “cagão”.

“Outro motivo (detalhar no campo expulsões) - Expulsei diretamente após o término da partida, o sr. Rodrigo Baldasso da Costa, camisa número 3, da equipe CR Vasco da Gama, por me ofender proferindo as seguintes palavras e de forma persistente: "Tu é um cagão, tu é um cagão!!!!", diz na súmula.