Artilheiro da Série B, Nenê segue no Top 10 dos artilheiros do ano

Em 12/09/2016 16:51
 

O último final de semana teve um jejum geral no topo da artilharia do Prêmio Friedenreich. Mas no meio de semana, Bruno Rangel deixou sua marca pela Chapecoense, no empate por 2 a 2 contra o Santa Cruz, pela Série A, e se desgarrou do pelotão que vinha atrás de Anselmo para ficar sozinho na vice-liderança, com 22 gols, e encostar no líder, que apesar da goleada do Fortaleza por 4 a 1 sobre o Remo passou em branco e continua com 23. 

O artilheiro até que tentou ampliar sua vantagem no Friedenreich. Aos 22 do primeiro tempo, ele acertou uma cabeçada na trave após bela defesa de Fernando Henrique. Aos 35, Anselmo recebeu na área e deu um toque para o gol, mas Renato Justi tirou em cima da linha. Logo aos três do primeiro tempo Daniel Sobralense abriu o marcador. O empate do Remo veio aos 26, com Renato Justi. O Tricolor do Pici voltou a ficar à frente no marcador aos 36. Corrêa ampliou aos 24 da etapa final, e Juninho deu números finais a goleada aos 38. 

Os melhores colocados que balançaram as redes neste final de semana foram Nenê, do Vasco, e Gênesis, do Boa Esporte-MG. O vascaíno marcou um dos gols na vitória por 3 a 2 sobre o Oeste, na Série B. Pela Série C, Gêneis abriu o placar na vitória do Boa sobre o Ypiranga por 2 a 0. 

Bruno Rangel, Kleber, Robinho, Rodrigão e os demais concorrentes pelo topo do Friedenreich terão uma oportunidade de ouro para diminuir a vantagem, empatar ou até mesmo passar o artilheiro Anselmo. Como o jogador do Fortaleza recebeu o terceiro amarelo em sequência da Série C no jogo contra o Remo, está suspenso e não joga no próximo domingo, pela 18ª rodada, quando o Tricolor do Pici recebe o América-RN. 

O PRÊMIO 

O troféu do Prêmio Friedenreich é uma iniciativa do programa "Globo Esporte", da TV Globo, em parceria com o GloboEsporte.com. E a disputa pelo troféu é bastante democrática - e, com isso, acirradíssima. Todos os que disputam as Séries A, B, C e D do Campeonato Brasileiro estão na briga. Além dos gols marcados nas quatro divisões da competição, serão contabilizados os feitos nos Estaduais (apenas da primeira divisão), Copa do Nordeste, Copa do Brasil, Copa Verde, Primeira Liga, Taça Libertadores, Copa Sul-Americana, Recopa Sul-Americana e Mundial de Clubes da Fifa. 

O HOMENAGEADO 

Se Charles Miller trouxe a bola para o país e deu, com isso, o pontapé inicial para aquela que se tornou a grande paixão nacional, Artur Friedenreich foi um dos pioneiros do talento "made in Brazil". Ainda que existam controvérsias sobre o número de gols marcados pelo atacante - uma estatística aponta 1.329, apesar de outras assegurarem pouco mais de 500 -, a história, seja pelos recortes de jornais ou pelos testemunhos dos já saudosos bisavós, confirma que Fried foi um jogador extraordinário. Conquistou sete títulos paulistas (seis pelo Paulistano e um pelo São Paulo da Floresta, que deu origem ao atual São Paulo Futebol Clube), uma Copa Rocca (1914) e dois Sul-Americanos (1919 e 1922) pela seleção brasileira. Ainda no Campeonato Paulista se consagrou como artilheiro em oito edições. 

OS VENCEDORES 

2008 - Keirrison (Coritiba), com 41 gols 
2009 - Diego Tardelli (Atlético-MG), com 39 gols 
2010 - Jonas (Grêmio) e Neymar (Santos), com 42 gols cada 
2011 - Leandro Damião (Internacional), com 38 gols 
2012 - Neymar (Santos), com 43 gols 
2013 - Hernane (Flamengo), com 36 gols 
2014 - Magno Alves (Ceará), com 37 gols 
2015 - Ricardo Oliveira (Santos), com 37 gols