Autuori tentará ajudar o Vasco como fez há 18 anos no Bota

Em 03/04/2013 08:40
 

Salários atrasados, elenco criticado, torcida descrente. Quem testemunhou o trabalho que trouxe notoriedade a Paulo Autuori em 1995, descreve dessa forma o cenário encontrado pelo treinador no Botafogo, adversário desta quarta-feira, às 19h30, em Volta Redonda. Qualquer semelhança com o que achou no Vasco 18 anos depois é mera coincidência, mas aumenta a esperança de que tudo possa dar certo em São Januário, assim como aconteceu pelas bandas de General Severiano.

Ao chegar a clubes afundados em dívidas, a primeira coisa que Autuori teve de fazer foi administrar o descontentamento dos jogadores com o fato de trabalharem sem receber. No Botafogo de 1995, o atraso era de cinco meses. No Vasco, ele já caminha para três, o que abrirá perigosa brecha para que contratos sejam rompidos na Justiça do Trabalho. É com muita persuasão que o técnico tenta motivar o elenco.

- A grande virtude dele é a serenidade e a forma como ele passa suas ideias para o grupo. Ele foi muito importante para que superássemos a falta de estrutura, de local de treinamento e os salários atrasados. Ele tinha o sonho de projetar seu nome no Brasil e fez com que o grupo ficasse unido, superasse os interesses individuais – lembrou o ex-zagueiro Gonçalves.

Em ambos os casos, o treinador assumiu o comando de equipes consideradas limitadas. Carlos Augusto Montenegro, presidente do Botafogo na época, recorda que foi motivo de piada ao contratar jogadores que atuavam no futebol mexicano, casos de Gonçalves e Donizete. Mais ou menos o que acontece com o Cruzmaltino, considerado por muitos o dono do elenco mais fraco entre os grandes do Rio.

- Ele mostrou ser uma pessoa de caráter logo no começo. Chegou em meio a dificuldades. O Botafogo não tinha nem lugar para treinar na época, mas ele entendeu e aceitou o desafio. Depois que ele chegou, não contratamos ninguém. Ele pegou o que tinha e armou o time – ressaltou o ex-dirigente, descrevendo uma situação bem parecida com a atual do Vasco, sem recursos para trazer reforços.

Os campeões brasileiros com Paulo Autuori em 1995 acreditam que o técnico será capaz de colocar o Vasco nos eixos, algo que nem mesmo a torcida tem levado muita fé. O jogo desta quarta-feira pode ser o primeiro neste sentido, justamente contra um adversário que é o divisor de águas na vitoriosa carreira do treinador. Se o desfecho do trabalho atual for igual ao de 18 anos atrás…

- Sempre falei que ele foi um dos grandes treinadores da minha carreira. Ele é capaz de consertar qualquer equipe. Ele conhece muito. Vai precisar de tempo, mas pode fazer um bom trabalho no Vasco – afirmou o ex-atacante Donizete.

últimas das colunas

todos os colunistas