Basquete: Vasco tem retrospecto amplamente favorável contra o Macaé

Em 19/10/2016 10:18
 
Palacios na vitória vascaína sobre o MacaéPalacios na vitória vascaína sobre o Macaé
Foto: Divulgação

De olho nas finais do Campeonato Estadual do Rio de Janeiro, o Macaé recebe o Vasco nesta quarta-feira às 19h15 (de Brasília), no ginásio Juquinha, pela segunda partida das semifinais. Após perder na última segunda-feira, em São Januário, por 74 a 58, os donos da casa precisam da vitória por qualquer resultado para forçar o terceiro e decisivo jogo da série. Em caso de triunfo do Cruz-Maltino, o time do treinador Christiano Pereira garante seu lugar contra o vencedor de Flamengo e Botafogo, que se enfrentam na outra chave. O Rubro-Negro venceu o primeiro duelo por 79 a 69.

Para o confronto em Macaé, o Vasco não deve contar com a volta do pivô Gaúcho. Apesar de ele ter aquecido com os companheiros na quadra de São Januário antes do primeiro jogo, o jogador ainda sente uma lesão no músculo reto femoral, que o tirou de toda a competição. Destaque do primeiro compromisso da série semifinal, com 14 pontos, o ala Márcio Dornelles lembrou das dificuldades dos confrontos entre as duas equipes.

- No primeiro jogo contra o Macaé, a gente estava sem o Nezinho e sem o Hélio, e a gente ganhou de 13. E mesmo com eles dois lá (em Macaé), foi aquele jogo duro. Isso só serve para frisar a importância de ter um elenco numeroso para o campeonato.

Do lado macaense, o ala Schneider pediu um time começando o duelo mais intensamente. No primeiro quarto do primeiro jogo, o time só fez seis pontos e ele vê a torcida como fator importante para forçar o terceiro jogo.

- Ontem foi um jogo mais atípico, não começamos tão forte como de costume. No jogo aqui em Macaé iniciamos muito mais forte. Para o próximo jogo é preciso jogar com a maior intensidade possível principalmente na defesa para brigarmos pela vitória. Vamos estar ao lado da nossa torcida e isso ajuda muito.

Esse será o terceiro jogo entre as equipes nesta temporada, todos com vitória do Vasco. O mais acirrado foi justamente o único no Juquinha, quando depois de empate em tempo normal, a partida foi decidida na prorrogação para os visitantes: 85 a 82.