Decepção, revelação, melhor jogador... A temporada 2017 do Vasco

05/12/2017 às 08h18 - FUTEBOL

Eurico Miranda foi um dos poucos a acreditar desde o início numa boa campanha do Vasco no Campeonato Brasileiro. E a promessa do presidente cruz-maltino de ver o time na Libertadores se cumpriu. Não foi uma trajetória fácil: a equipe passou por altos e baixos na Série A até se estabilizar com Zé Ricardo e arrancar para garantir a vaga.

Jogo chave: Vasco 1 x 0 Fluminense (22ª rodada)

Era um momento crítico na competição. Milton Mendes havia acabado de ser demitido, e o Vasco se aproximava perigosamente da zona de rebaixamento. O clássico no Maracanã seria com um treinador interino - Valdir Bigode -, enquanto Zé Ricardo ainda chegava.

A vitória por 1 a 0 - um golaço de Ramon - deu tranquilidade para que Zé trabalhasse. Ele teve à disposição 15 dias ininterruptos de treinos para implantar suas ideias e assentar a equipe. Tudo começou, porém, com aquele triunfo no Maracanã.

Melhor jogo: Santos 1 x 2 Vasco

Enfrentar o Peixe na Vila Belmiro não costuma ser tarefa fácil para o Vasco. Mas foi nesta partida que o Cruz-Maltino apresentou sua melhor versão na Série A. Encarou o rival de frente, não se acovardou e criou até mais chances. Nem o fato de ter saído atrás no placar atrapalhou: com grande atuação - e um golaço - de Evander, o time reagiu e garantiu a vitória de virada nos acréscimos.

Pior jogo: Vasco 0 x 3 Cruzeiro

Sem São Januário, o jogo aconteceu em Volta Redonda. E foi a segunda derrota na cidade, após o revés para o Atlético-PR. Tudo deu errado. O Cruzeiro abriu o placar no início e controlou o jogo, com o Vasco errando demais.

Quem decepcionou: Luis Fabiano

Enquanto esteve saudável, Luis Fabiano cumpriu sua parte - marcou cinco gols no Brasileiro. Mas as lesões atrapalharam demais o centroavante, que atuou em apenas 12 partidas e não foi a referência ofensiva que se esperava. O Vasco sofreu muito sem um artilheiro.

Melhor jogador: Anderson Martins

O zagueiro chegou em 20 de julho para colocar ordem na casa. Desde que Anderson Martins voltou para o Gigante da Colina (onde teve passagem vitoriosa em 2011), a defesa do Vasco mudou bastante. Ele contou com a ajuda de Zé Ricardo para dar organização àquilo que era a desconfiança dos torcedores.

Nas 14 partidas do Campeonato Brasileiro em que Anderson Martins esteve em campo, o Vasco sofreu dez gols e teve sete vitórias, cinco empates e apenas duas derrotas. Dá para ver como a presença do zagueiro foi determinante para a classificação do Cruz-Maltino para a Libertadores

Revelação: Paulinho

Com 17 anos, Paulinho viveu uma epopeia pessoal. Começou em alta, fazendo dois gols na vitória sobre o Atlético-MG. Sofreu com a adaptação aos profissionais e caiu de rendimento na reta final, mesmo sendo titular. Mas, diante da Ponte Preta, mostrou que tem estrela. De cabeça, abriu o caminho para a classificação. Veloz e obediente taticamente, o garoto tem tudo para se firmar em 2018.

Destaque do Cartola: Ramon

Como não iniciou o Brasileiro no Vasco e, depois, sofreu grave lesão, disputou apenas 17 jogos - o suficiente para se garantir como melhor lateral e quinto melhor geral do game (com média de 6,38 pontos). Fez um gol e deu duas assistências, mas seu diferencial foi em roubar bolas. Acumulou 35, o que dá média de pouco mais de duas por jogo. Também não cometeu muitas faltas (19 ao todo) e recebeu o bônus de saldo de gol seis vezes.

* Preço final: C$ 11.58.

Ah, se a gente tivesse esses pontos...

Teria se classificado com antecedência à Libertadores. A falta de maior eficiência ofensiva custou ao Vasco algumas posições. Nos jogos contra Sport, Vitória, Coritiba, Atlético e Chapecoense, o time desperdiçou muitas chances de ampliar quando estava na frente do placar. Acabou punido com empates.

Fonte: GloboEsporte.com