Eleição do Vasco terá '"anti-fraude'

06/11/2017 às 21h49 - FUTEBOL

Os portões do Vasco ainda nem foram abertos para a eleição, mas o clima que antecede o início da votação no clube segue quente entre os postulantes à presidência.

Nesta segunda-feira, o candidato Julio Brant entrou com uma notícia crime na Delegacia de Defraudações do Rio de Janeiro. À delegada Patricia de Paiva, ele relatou eventuais irregularidades que podem acontecer no pleito e saiu do encontro com a promessa de que uma equipe "anti-fraude" estará em São Januário.

"Protocolei a notícia crime relatando todas as fraudes. A delegada se comprometeu a colocar uma equipe e isso dará uma tranquilidade para o vascaíno que irá votar e confia na polícia e na justiça do Rio de Janeiro", afirmou Brant.

Mais cedo, o Ministério Público do Rio garantiu que não enviaria representantes para a eleição, o que preocupou os opositores de Eurico Miranda, todos alertas por conta de eventuais problemas como sócios que não estariam aptos a escolher o futuro mandatário.

Mesmo sem a presença do órgão, o concorrido pleito do Vasco terá medidas judiciais aplicadas: 691 sócios com cadastros suspeitos terão de votar numa urna em separado. No total, 10.494 estão aptos a voto.

No levantamento feito pela chapa "Mudança com Segurança", do candidato Fernando Horta, cerca de 5 mil sócios tiveram falhas apontadas em suas inscrições. Quase 4 mil, sem CPF, além de outros falecidos, sem endereços residenciais e oriundos de associações em massa em meses específicos.

O clube e as chapas disponibilizarão centenas de seguranças e, do lado de fora, a Polícia Militar se fará presente. Concorrem à presidência Eurico Miranda, que tenta a reeleição, Fernando Horta e Julio Brant.

Fonte: UOL Esporte