Em entrevista, sócios da urna 7 admitem irregularidades; veja o vídeo

10/11/2017 às 13h11 - POLÍTICA

A eleição do Vasco teve data para começar, mas a data para acabar ainda parece longe. Alegando irregularidades, a chapa encabeçada pelo então candidato Fernando Horta conseguiu liminar na justiça para que os 691 sócios inscritos entre os meses de novembro e dezembro de 2015 votassem em uma urna separada.

Horta acusa o atual presidente, Eurico Miranda, de comandar um esquema para garantir a reeleição. Nesse esquema, estariam os sócios da urna 7. Segundo Horta, há indícios de que esses sócios jamais pagaram mensalidade e que teriam suas datas de inscrição alteradas.

- Eu vi que havia irregularidade. Pessoas que aparecem cadastradas em 2015, mas não se inscreveram em 2015. Fizeram com a data retroativa para tentar disfarçar. Mas não são só os 691, não. Pessoas que nunca pagaram nada ao Vasco. Não tem registro desse dinheiro entrando no Vasco – afirmou Fernando Horta.

O GloboEsporte.com teve acesso ao processo que corre em segredo de justiça. Nele, constam os nomes dos sócios que votaram na urna 7. Dois deles aceitaram conversar com a reportagem e confirmaram as acusações de Horta. Por questões de segurança, ambos pediram para não serem identificados.

- Um amigo meu ligado ao Vasco foi até minha casa e pediu para eu ser sócio do Vasco, para votar no Eurico Miranda. Isso foi em março desse ano. Nunca fui em São Januário para assinar nada – disse o sócio “X”, que tem sua inscrição no clube registrada em dezembro de 2015.

- Eu entrei de sócio no final de 2016. Setembro, outubro. Não lembro do mês exato. E na lista está que minha adesão foi em dezembro de 2015. Eu na época tinha muita vontade de virar sócio, porém não tinha condição para isso. Um amigo me levou até a um segurança do Vasco e perguntou se tinha como me colocar no esquema. Esse segurança perguntou se eu queria mesmo e me deu uma ficha para preencher – afirmou o sócio “Y”.

Além das datas de inscrição alteradas, os dois também garantem nunca terem pago mensalidade.

- Jamais paguei um centavo para o Vasco. Tinha o desejo de virar sócio, de pagar mais barato nos ingressos, de usufruir do clube. Só que depois foi caindo a ficha - disse “Y”.

- Nunca paguei nada.– garante “X”.

Irregularidades na inscrição

O sócio “X” garante que desde março, quando recebeu a proposta para ser sócio do Vasco, nunca pisou em São Januário. Apesar de se declarar vascaíno, foi ao estádio apenas no dia da votação.

- Esse meu amigo que me pediu para votar no Eurico Miranda. Ele me pegou e levou para votar. Ele achava que eu ia votar no Eurico... só que eu votei no Júlio. Eles falavam que se o Eurico ganhasse que a gente ia ter benefícios. Muitos benefícios. Que a gente ia ter um leque para explorar.

O sócio “Y” esteve em São Januário antes da eleição. Ele foi até ao estádio para fazer o cadastro de sócio. Levou a ficha dele e de mais alguns amigos que também queriam se associar.

- Tinham pessoas com 20 fichas, pessoas com 10 fichas. São pessoas que preenchem 10 fichas ali na hora e levam mais dez para casa para outras pessoas preencherem. E fica nisso.

Ao contrário de “X”, ele garante que votou em Eurico porque sentiu medo.

- Até um pouco tempo antes da eleição, recebi muitas ligações. Eles só falavam que eram do Vasco. Perguntavam se eu ia buscar a carteirinha e também se eu iria votar. Não chegava a ser uma intimidação, mas era uma pressão para que eu desse uma resposta a eles.

Eurico não responde

Procurada pela reportagem, a assessoria de Eurico Miranda disse que ele não responderia às acusações. Em entrevista coletiva concedida em São Januário na última quinta-feira, ele garantiu que as eleições não tiveram irregularidades.

- Se fosse ter fraude na eleição, ela teria sido feita com a clareza que foi feita? Claro que não. Aí passa a imagem que no Vasco tem fraude. Que fraude? Se eles se associaram com a intenção de votar em mim, chegaram lá e votaram em mim. Se não se associaram com essa intenção, que que eu vou fazer? Não fui eu que mandei associar. Não fui eu que paguei associação.

Brant espera por resultados da Justiça

Candidato que disputa com Eurico a presidência do Vasco, Julio Brant aguarda a resolução do caso na Justiça. Para ele, não há dúvidas da fraude e se considera o vencedor da eleição.

- Teve uma urna que a Justiça entendeu que havia um potencial de fraude e aparece lá noventa e tantos por cento de votos pro Eurico. Isso não é razoável. Claro que existe uma anomalia. E essa anomalia precisa ser tratada com todo o carinho, com todo cuidado pela Justiça.

Fonte: GloboEsporte.com