Excesso de invenções leva Vasco à derrota, aponta site

Em 02/10/2016 13:31
 

Quem assistiu à derrota do Vasco para o Náutico por 3 a 1 sabe que o placar não refletiu o que aconteceu no jogo. Pelo que as equipes apresentaram, o Timbu poderia ter vencido por uma diferença maior, o que só não aconteceu graças a pelo menos duas grandes defesas do Martin Silva e outras tantas chances desperdiçadas pelo ataque mais ou menos da equipe pernambucana.

O principal problema do Vasco ontem foi sua escalação. Jorginho mais uma vez fez escolhas equivocadas para repor os desfalques do time: tirando Madson, que por ser a única opção para o lugar do Pikachu era a única alternativa do treinador, todos os substitutos acabaram indo mal. Jorge Henrique, como sempre, é menos um no time; Julio dos Santos como segundo homem não conseguiu dar início as jogadas de ataque e ainda obrigou Douglas a jogar mais recuado, posição na qual rende menos; e o pior de tudo: a volta do Júlio César à lateral – como uma premiação às boas atuações que Alan Cardoso vinha tendo – serviu para deixar nosso lado esquerdo uma verdadeira rodovia para os avanços do Náutico.

Com isso, terminar o primeiro tempo perdendo por apenas 1 a 0 foi até lucro dadas às chances que o Náutico criou. E o que geralmente acontece quando jogamos mal numa primeira etapa é Jorginho tentar consertar no intervalo o que fez de errado no início da partida. E foi o que ele fez ou, pelo menos, tentou. Mas tirar Jorge Henrique e colocar Alan Cardoso, deixando o time com dois laterais em campo, foi repetir uma invencionice que outras vezes não funcionou com Pikachu/Madson. O resultado? Antes que conseguíssemos pressionar, sofremos um segundo gol, que contou com uma falha do Julio Cesar, que era quem deveria ter dado lugar a Alan.

A vantagem no placar fez o Náutico recuar e aguardar as chances de contra-atacar. O Vasco aproveitou os espaços e passou a dominar a partida, mas, nas raras vezes em que transformamos a maior posse de bola em chances de gol, paramos na boa atuação do goleiro Julio Cesar. Diminuímos a diferença com Madson, aos 38, e teríamos alguns minutos para ao menos tentar o empate, mas o próprio Madson acabou ajudando o Timbu a ampliar, depois de Martin Silva ter feito uma defesa espetacular nos pés do atacante adversário.

Nós, que esperávamos ampliar a vantagem para o Atlético-GO, vimos a diferença diminuir para dois pontos, muito porque Jorginho não consegue fazer o desempenho defensivo do time voltar ao que era. Não foi de ontem que nossos adversários conseguem nos atacar, inclusive quando vêm pelo miolo de zaga com muita facilidade. E com as invenções do treinador ontem, o trabalho do Náutico ficou ainda mais fácil, com a esquerda desprotegida por grande parte do jogo. Teremos outro jogo fora de casa na próxima rodada e, para não corrermos o risco de perdermos a liderança, Jorginho precisará controlar sua tendência a incorporar o Professor Pardal.