Fellipe Bastos espera viver somente fase de "altos" no Vasco

Em 03/04/2013 10:53
 

No atual elenco vascaíno, Fellipe Bastos tem números expressivos. Foram 109 jogos e 12 gols - é o quarto no número de participações e o quinto que mais marcou pelo time - desde a chegada ao clube, no Brasileiro de 2010, quando veio junto com Eder Luis do Benfica. Três anos depois, o cabeça de área assume novamente a condição de titular no time, com a chegada do técnico Paulo Autuori.

Quem vê a perseguição de boa parte da torcida nos jogos pode pensar que o garoto de 23 anos se intimida com as vaias e se incomoda com a situação. Porém, Bastos, que marcou sete vezes ano passado, parece tranquilo com o assunto. Ele reconhece que viveu bons e maus momentos no clube - apesar das críticas das arquibancadas, o jogador foi titular em 66% das partidas no time - e lamenta que não tenha começado a temporada jogando. Surpreendentemente, ele não atribui apenas à frustrada negociação para o Internacional (RS), que o afastou do time no início da temporada. Mas coloca na conta do ex-técnico Gaúcho também.

- Eu digo que a questão da negociação, que acabou não acontecendo, me prejudicou em tese, porque realmente esperava começar o ano jogando. Em Pinheiral (na pré-temporada) fui titular, mas depois não joguei. O time começou bem, mas esperava jogar depois. Foi opção do Gaúcho (seguir na reserva). Cada treinador tem sua opção, tem seus jogadores de confiança. O que fiz foi trabalhar, respeitar a opção dele (Gaúcho) e esperar minha vez - disse Bastos.

Eu me sinto bem jogando contra o Botafogo. Fui criado lá praticamente, conheço muita gente ainda lá. Não tenho nada contra o clube, mas por acaso acontece de fazer gol e de jogar bem contra eles\"

Fellipe Bastos

Comprado em prestações pelo Vasco no meio do ano passado, na mesma transação que envolveu Eder Luis, Fellipe Bastos estava no mesmo \"pacote\" de negociação que o ponta vascaíno. A chance de transferi-lo para o Inter iria amenizar o pagamento das últimas parcelas que o Vasco deve ao Benfica. Segundo orçamento de 2013, o Cruz-Maltino ainda tem de pagar pouco mais de R$ 1,5 milhão ao clube português. As últimas duas prestações precisam ser quitadas em julho e em dezembro deste ano.

Sobre o clássico desta quarta, Fellipe Bastos, que começou no Botafogo, lembrou também dos últimos confrontos, em que conseguiu fazer gols em cima do time alvinegro. Um no Campeonato Carioca de 2012, outro pelo Brasileiro de 2011.

- Eu me sinto bem jogando contra o Botafogo. Fui criado lá praticamente, conheço muita gente ainda lá. Não tenho nada contra o clube, mas por acaso acontece de fazer gol e de jogar bem contra eles - afirmou Bastos.