Identidade Vasco publica nota a respeito do orçamento do clube

13/07/2018 às 08h17 - POLÍTICA

Sobre o orçamento do CRVG

Neste pequeno texto vamos analisar a situação por que passa o nosso querido Club de Regatas Vasco da Gama do ponto de vista do seu orçamento. Para que possamos entender a questão orçamentária do Clube, prevista em nosso estatuto mas que os atuais gestores executivos lamentavelmente fazem "vista grossa", didaticamente fizemos, abaixo, algumas considerações:

O orçamento é reconhecidamente uma ferramenta de planejamento, execução e controle que tem a função de converter os objetivos estratégicos em metas e valores operacionais. A palavra orçamento no contexto está relacionada com a previsão de receitas e gastos que o Clube elabora para um determinado período, com o objetivo de se antecipar aos acontecimentos e planejar suas ações futuras. Ele pode ser considerado um instrumento ou uma ferramenta de planejamento e controle na gestão das entidades. Utilizando-se desse recurso o Clube projeta suas metas econômico-financeiras e define as estratégias para atingir o resultado esperado no período seguinte. Ao relacionar orçamento e planejamento, define-se que planejar é se antecipar aos fatos, de forma a projetar ações que levem ao alcance destas metas.

A execução deste orçamento contribui para assegurar a eficácia da entidade e do comando que vai possibilitar a difusão dos planos. Isto serve para coordenar as diversas unidades da administração, motivando e avaliando os gestores e empregados. Serve como avaliação de sua performance e é a base para o sistema de remuneração. O controle é o principal aliado, sem ele não adianta planejar ou executar, é necessário o acompanhamento diário sendo orientado de acordo com os objetivos da entidade, desta maneira é possível minimizar as possíveis distorções e as improvisações aumentando as possibilidades do orçado estar de acordo com o executado. Com as informações atualizadas, conforme a necessidade da entidade facilita as tomadas de decisões, estabelecendo estratégias para cada caso, analisando o mercado e as alternativas de todos os cenários.

Dito isto, o artigo 122 do Estatuto do CRVG apregoa que: A vida financeira do Clube processar-se-á rigorosamente dentro do orçamento organizado anualmente pela Diretoria Administrativa, com assistência e aprovação do Conselho Fiscal.

§ 1º Somente com o Parecer do Conselho Fiscal e a autorização da suplementação pelo Conselho Deliberativo, poderão as despesas exceder as dotações orçamentárias.

§ 2º O Conselho Fiscal é responsável pela observância das normas contidas neste artigo.

E mais, o artigo 75 do mesmo estatuto diz que o Conselho Deliberativo é o poder legislativo e de orientação do Clube, agindo nesta qualidade como imediato, irrestrito e irrevogável mandatário do corpo social. Compõe-se dos sócios Fundadores, Grandes Beneméritos e Beneméritos, como membros natos e de membros eleitos observadas as disposições contidas nos artigos 59 e 63 deste Estatuto.

Entendemos que o Conselho Deliberativo não pode se omitir e deve cobrar da Diretoria Administrativa que respeite as tarefas estatutárias do Conselho Fiscal, sob pena de cumplicidade.

Ainda sobre o orçamento, apesar de ser reconhecida como uma ferramenta de grande importância no auxilio à tomada de decisões, o orçamento vem sendo frequentemente alvo de criticas por parte dos gestores, que exaltam dificuldades de implantação e execução, por acreditarem que sua aplicação acarreta um modelo de gestão inflexível, que não incentiva o ambiente criativo.

Ora, para que o orçamento obtenha sucesso é imprescindível que haja um planejamento mínimo, e ele existe: é por meio dele que se criam as fases essenciais para acompanhar as metas e atingir os objetivos, tudo que será planejado passara a ser mensurado, seja de maneira qualitativa podendo ser estruturado e um relatório com as informações que possam projetar os detalhes do futuro da entidade, de maneira quantitativa expressando em valores e quantidades. Controlar o orçamento é um meio eficaz de efetuar a continuação dos planos. Isto serve para coordenar as diversas unidades da administração, motivando e avaliando os gestores e empregados. Ele fornece as medidas para avaliar a performance da entidade. Permite acompanhar a estratégia, verificar seu grau de êxito e, em caso de necessidade, tomar ação corretiva.

Algumas críticas direcionadas ao orçamento estão relacionadas à possibilidade de desvios entre o orçado e o realizado e também, já que a ferramenta baseia-se em estimativas, dizem alguns que o orçamento não deve tomar o lugar da Administração. Ele deve ser um instrumento de apoio à tomada de decisões e não deve substituir a flexibilidade, a criatividade e o bom-senso dos gestores, mas isto não pode ser objeto de opinião já que o Estatuto determina e não é opcional, lembrando que todas as grandes instituições, sejam aquelas com fins lucrativos ou não, adotam o orçamento como medida de gestão. Não dá para dirigir esta grande instituição centenária como se fosse um boteco, por espasmos e usando gambiarras e jeitinhos. O CRVG não suporta e não merece mais conviver neste ambiente.

Vamos fazer os poderes do Clube exercerem seus papéis institucionais.

Identidade Vasco
O Vasco é a nossa identidade!
12 de julho de 2018
Texto feito com a colaboração do Conselheiro Marcos Diaz

Foto: Reprodução da internet Roberto Monteiro
Roberto Monteiro

Fonte: Identidade Vasco