Justiça dá prazo para Vasco comprovar legalidade de votos a urna 7

09/11/2017 às 12h53 - POLÍTICA

A juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves, da 52ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do estado do Rio, determinou que o Vasco tem 48h para cumprir uma série de exigências referentes às eleição do clube, realizada na última terça-feira. Entre as ordens da Justiça, está que o clube divulgue a lista de sócios que votaram sob suspeita e o comprovante de pagamento dos mesmos.

O Vasco ficou também obrigado a retificar a ata da eleição da Assembleia Geral, constando o resultado sub judice. Isso porque, após a contagem dos votos, o clube ignorou a indefinição quanto à validade dos votos da urna separada e homologou a vitória da chapa de Eurico Miranda.

Na decisão da juíza, ela ainda destacou que a larga vantagem obtida por Eurico na urna suspeita, de número 7, enquanto foi derrotado nas outras urnas, reforma os indícios de que há irregularidades no voto dos sócios suspeitos.

A decisão é consequência da ação de Fernando Horta, candidato à presidência do Vasco, que apontou irregularidades de 691 sócios presentes na lista de votantes do clube. Horta afirmou que esses associados não fizeram pagamento para se associar e por isso não poderiam ter participado da eleição.

Fonte: Agência O Globo