Lateral artilheiro, Pikachu esclarece posição no Vasco

02/04/2018 às 15h36 - FUTEBOL

Autor de dois gols na vitória do Vasco por 3 a 2 sobre o Botafogo, Yago Pikachu foi um dos personagens no primeiro jogo da final do Campeonato Carioca. Na temporada, já balançou a rede mais que muito atacante no país: sete vezes.

Mas qual a real posição em que o cruz-maltino vem atuando em 2018? Lateral? Meia? Atacante? Pikachu foi um dos convidados do "Seleção SporTV" desta segunda-feira e ele mesmo esclareceu:

- Sou o coringa (risos) - disse.

Com sete gols em 2018, Yago Pikachu briga na artilharia com os seguintes atacantes:
Borja (Palmeiras) - 7 gols
Pedro (Fluminense) - 7 gols
Henrique Dourado (Flamengo) - 4 gols
Gabigol (Santos) - 4 gols
Raniel (Cruzeiro) - 3 gols
Jael (Grêmio) - 3 gols
Fred (Atlético-MG) - 1 gol

- Bom estar acima desses jogadores. É claro que eles estão muito mais próximos de fazer gols. Para mim é difícil fazer dois gols em uma mesma partida. Para eles, é muito mais fácil. Então vamos continuar trabalhando para que esse número possa aumentar - disse Pikachu.

Confira outros tópicos da entrevista de Yago Pikachu:

Foi bom o Zé Ricardo ter te tirado da lateral direita?
- Para mim, jogar na linha de frente me dá muito mais liberdade de chegar na cara do gol, mas sempre deixei claro a minha posição de origem, que é a lateral. Não vejo problema de jogar na linha da frente, até porque minha carcterística faz com que eu chegue mais. No meio de campo acaba sendo muito mais marcado. Como lateral, acabo sendo elemento surpresa.

Comenta os gols:
- Foi um bonito gol, que começa na roubada do Giovanni Augusto. A bola sobrou para o Wagner, que tem o mérito de ter cruzado a bola. No segundo gol, tava um pouco atrás, mas vi que tava se desenhando para cruzar, me antecipei ao Lindoso e a bola acabou sobrando para mim.

Já dá para dizer que o Pikachu do Vasco já é melhor do que o do Paysandu?
- Em números, acredito que não. Em desempenho, com certeza. Principalmente em 2018. Meu começo no Vasco, realmente, foi meio tímido. Minha adaptação demorou muito. Saí do Paysandu sendo referência do time e cheguei aqui para buscar meu espaço. Houve uma dificuldade grande, mas, aos poucos, fui me adaptando.

Posição preferida:
- Ofensivamente, prefiro jogar na lateral por ser elemento surpresa. Mas claro que quando se vai muito ao ataque, acaba dando espaços mais atrás, e é uma coisa que eu me cobro bastante quando estou jogando na linha de trás.

Ausência do gol de faltas está incomodando?
- Estou treinando. É uma coisa que eu procuro. Incomoda porque é uma característica, mas vai sair na hora certa.

Sobre os gols saírem no último minuto. De onde vem a capacidade de manter a concentração até o fim?
- Não deixar de acreditar em nenhum momento. Sabemos que futebol só acaba quando termina, então temos a postura de acreditar até o fim e estamos sendo coroados com as vitórias no final. É claro que a gente não quer esse tipo de emoção, preferimos um jogo mais tranquilo.

Sobre Vasco estar levando muitos gols pelo alto:
- É uma coisa que estamos nos cobrando muito, principalmente em bola parada. Hoje os jogos estão sendo decididos assim. Contra o próprio Botafogo, na semifinal da Taça Rio, sofremos gol de bola parada e eles também. É mundialmente. Temos que estar concentrados porque é um tipo de lance que está decidindo os jogos.

Importância de Zé Ricardo:
- Desde a chegada ajeitou a equipe. Houve evolução muito grande, trouxe confiança de outros jogadores que estavam sendo pouco utilizados. Tem uma parcela de contribuição muito grande.

Projeta jogo contra o Cruzeiro:
- Estamos confiantes, mas sabemos que é um jogo difícil, muito complicado, o Cruzeiro é uma das melhores equipes do Brasil. As duas equipes precisam buscar a vitória porque ambos vêm de derrota (na Libertadores). Vai ser mais um jogo bom e espero que possamos entrar fortes e trazer pontos de lá.

Fonte: GloboEsporte.com