Mesmo aposentado, Edilson segue no futebol comandando peladas

Em 12/06/2013 10:32
 

Edílson Capetinha não joga mais profissionalmente, mas o futebol nunca deixou de fazer parte da sua vida. Mesmo antes de vestir as camisas de times como Palmeiras, Corinthians, Flamengo, Cruzeiro, Vasco e Bahia, o ex-jogador já mostrava habilidade nas peladas de Salvador, conhecidas como babas. Foram em jogos como esse que, segundo ele, seu talento foi descoberto.

- Eu vim do baba. Quando fui jogar profissionalmente, jogava baba em campo de barro, com os meus amigos e fui descoberto nessa situação - relembrou.
Apesar de ter deixado o futebol profissional em 2010, o atacante não fica muito tempo longe da bola. De volta às origens, Edilson não dispensa um baba que reúne jogadores com qualidades diferente. Nem todos são craques e por isso mesmo, a diversão é garantida.

- Baba que não tem chato, não é baba. Tem que ter o chato, o mala, aquele cara que não joga nada e a gente dá risada. Se boto ele na cara do gol, ele chuta para fora, ou então, ele vai fazer uma jogada bonita e cai com a bola. É legal por isso. Por que no final, a resenha, às vezes, é melhor do que o baba.

Às vésperas do início da Copa das Confederações, a capital da Bahia receberá jogos da disputa e os turistas não precisam se preocupar. Edílson afirma que a turma do baba é receptiva, e os visitantes também poderão participar da festa do futebol amador.

- A galera gosta de receber gente de fora, gente desconhecida para jogar com eles.

Tags