Mudanças na Copa Libertadores poderão fazer Brasileirão 2017 ter G5

Em 29/09/2016 14:09
 

Como esperado, as mudanças na Libertadores e Copa Sul-Americana também atingiram o calendário do futebol brasileiro. Nesta quinta-feira, o diretor de competições da CBF, Manoel Flores, explicou as alterações propostas pela Conmebol e quais os impactos no Brasil. O principal deles recai sobre a Copa do Brasil e o Brasileirão. A promessa é que, a partir de 2017, clubes que disputem as oitavas de final do torneio também possam estar na competição continental. E mais. Caso seja confirmada as vagas a mais na Libertadores - que seriam para a fase prévia -, o Brasileirão pode ter um G-5 ainda neste ano. As datas para estaduais e regionais não devem ser alteradas. Todas as adequações no calendário brasileiro devem ser divulgadas na semana que vem. 

– É muito importante ressaltar que não há possibilidade de convite. A vaga virá da principal competição do país. Se houver vaga para o Brasil, naturalmente essa vaga viria do Campeonato Brasileiro. E seria para a fase prévia, sim – declarou Manoel. 

A CBF ainda não soube precisar como seriam a distribuição das vagas para a Sul-Americana, que também foi ampliada, mas terá 10 equipes que forem eliminadas na fase prévia e fase de grupos da Libertadores. A maior competição do continente passaria a ter 42 clubes. As quatro vagas a mais virão dos 10 filiados da Conmebol - mais o o México. Segundo o diretor de competições da CBF, a final única para a Libertadores ainda divide opiniões e é a alteração proposta pela Conmebol mais incerta. No plano da entidade sul-americana, ela seria disputada no dia 25 de novembro do ano que vem. Manoel Flores também confirmou que, a partir do ano que vem, os clubes brasileiros poderão disputar Sul-Americana e Copa do Brasil ao mesmo tempo. 

– A Copa do Brasil passa, independente do que ocorre na Libertadores, por discussão de renovação contratual. Uma reclamação constante era que um clube teria que optar por Sul-Americana ou Copa do Brasil. Isso deixa de existir. A Copa do Brasil será adequada dentro do que estamos trabalhando. A Copa do Brasil é competição consolidada. Muito atraente para a gente e fazemos questão de não mexer na estrutura dela. Nossa ideia é que clubes possam disputar Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro, Sul-Americana e Libertadores. 

As decisões sobre a nova distribuição das vagas e confirmação da final única serão feitas apenas na reunião do Comitê Executivo da Conmebol no próximo domingo, em Bogotá. O presidente da Federação Paulista de Futebol, Reinaldo Carneiro Bastos, estará no encontro. Reinaldo é também diretor de coordenações da CBF e membro do comitê da entidade sul-americana. Apesar de ainda não ser oficial, as vagas a mais na Libertadores são dadas como certas. O Brasil teria um sexto representante na competição, que viria do Brasileirão. E a vaga iria para a fase prévia. 

Copa do Brasil deve ser antecipada 

A CBF planeja divulgar o novo calendário – que já havia sido anunciado em julho – até a semana que vem, quando as mudanças na Libertadores forem confirmadas. Manoel Flores já adiantou que a ideia é que a Copa do Brasil tenha o mesmo número de datas e siga com o atual formato, mas seja antecipada. Entretanto, a entidade ainda estudará se o torneio voltará a ser disputado apenas no primeiro semestre. O diretor também reforçou que as duas paralisações no Brasileirão para as eliminatórias, setembro e outubro, não serão retiradas. 

– A busca é para manter equilíbrio do calendário que soltamos em julho. Queremos mexer o menos possível nas premissas básicas que tivemos no Comitê de Reformas. Os dois períodos de eliminatórias que conquistamos, vamos buscar manter. A estrutura central vai se manter. A gente vai encurtar o período da Copa do Brasil. O sucesso dela se passa pelo formato dela. Esse problema da Sul-Americana, com relação à escolha por qual torneio disputar, será superado. 

A Libertadores passará a ser disputada entre fevereiro e novembro e pode ter final única em campo neutro. A Sul-Americana continuará de junho a dezembro, mas ganhará 10 equipes que foram desclassificadas na primeira fase da Libertadores. Com isso, o maior torneio continental da América do Sul terá 42 semanas e não mais 27, como era até agora. Os vencedores das duas competições ganharão vagas na fase de grupos da Libertadores do ano seguinte.