Nenê fala sobre a reta final da temporada e avalia fase atual do time

Em 18/10/2016 20:50
 

O Nenê que encantou a torcida do Vasco no primeiro turno da Série B, com 10 gols marcados, apareceu pouco na segunda parte do campeonato. Se o Cruz-Maltino caiu de rendimento recentemente, um fator que contribuiu para isso foi o próprio desempenho do meio-campista, abaixo da expectativa dos torcedores. Em entrevista coletiva nesta terça-feira, o craque disse que está bem fisicamente, reconheceu dificuldades, mas ressaltou que sua função no time não é primordialmente balançar as redes. 

- Em relação ao primeiro turno, quando fiz muitos gols, acostumei mal (risos). Os gols eram lucro. Minha função é dar assistência. Acaba que se não faço gol parece que não estou no mesmo nível, mas é coisa normal, faz parte. Não me sinto mais responsável, porque no grupo somos um só: todo mundo perde, todo mundo ganha. Não é só o Nenê que faz as coisas. Claro que a responsabilidade é grande, porque tenho uma coisa com a torcida muito forte. Então, é normal a cobrança – disse o meia. 

Ao tentar explicar os motivos para a mudança no seu desempenho, Nenê relatou que a fibrose que teve na coxa em julho o atrapalhou. Porém, garantiu que está bem fisicamente. 

- Foi uma coisa muito chata ter me machucado. Como nunca tive lesão, sempre ficava com aquela coisa na cabeça: “Será que ainda não sarou?”. Na segunda vez que voltei, faltava pegar o ritmo de jogo. Nos últimos jogos não fiz assistências nem gols, mas creio que estou jogando bem. Fisicamente estou bem, em termos técnicos às vezes falha. Os jogadores estão mais acostumados com a minha presença e marcam mais. Não sei dizer. Tenho que tentar realmente fazer o time jogar mais. Tento ao máximo sair disso e fazer jogadas de gol e ataque, mas não está acontecendo como antes – analisou. 

No segundo turno, Nenê marcou dois gols e deu quatro assistências - contando com a falta cobrada para o gol contra de Germano, na vitória sobre o Londrina. 

Confira outros tópicos da coletiva de Nenê: 

Reta final da Série B 

Nossa principal dificuldade hoje em dia é o jogo seguinte. Temos que pensar no próximo, no que fazer e no que melhorar para conquistar os três pontos. Cada jogo é uma decisão. São sete finais. Agora que a gente vê realmente a força do nosso grupo, a união, para conquistar nosso objetivo o mais rápido possível. 

Momento atual do time 

Tivemos um ano maravilhoso até o primeiro turno. Agora estamos num momento mais ou menos, de oscilação, que não pode acontecer. Infelizmente, está acontecendo, e temos que enfrentar o problema. Precisamos da torcida nos apoiando. Se não for na técnica, tem que ser na raça. 

Título 

Nossa meta sempre foi ficar no G4, subir para a Série A. Creio que esse é o principal objetivo, mas não podemos deixar o título de lado, temos que tentar conquistar. Estávamos o campeonato todo em primeiro lugar, tivemos essa baixa de rendimento e resultados, não podemos deixar isso abalar. 

Cobrança da torcida 

Tem razão em cobrar. Eles têm que cobrar tudo, não só raça, mas resultados. Coisa normal. A gente joga dentro de casa e não pode perder jogos dessa maneira. Temos que fazer com que isso nos motive ainda mais para melhorar em todos os aspectos. 

Conversa com Eurico 

Ele conversou com a gente. A gente sabe como ele é, um cara muito transparente, direto, inteligente. Sabe a hora que tem que intervir. Coisa totalmente normal. Ele é o presidente do clube, quando as coisas vão mal a gente tem que acatar e enfrentar o problema, saber conversar. Tudo é questão de diálogo.