Nezinho revela: 'Nós queremos mais'

Em 04/10/2016 08:25
 
NezinhoNezinho
Foto: Site oficial do Vasco

Ser o destaque da partida em um ginásio lotado de torcedores adversários não é para qualquer um. Ainda mais quando o principal alvo da torcida rival é você. Entretanto, para Nezinho, isto não é novidade. Desde os tempos de Limeira, Brasília e Franca, o atual armador vascaíno costuma brilhar ao enfrentar o Flamengo diante de seus torcedores. Na noite da última segunda-feira (03/10), a história se repetiu. Desta vez, o roteiro foi ainda mais especial. Vestindo a camisa do Vasco, Nezinho driblou a marcação rubro negra mais uma vez e foi o cestinha (19 pontos) do duelo, válido pela terceira rodada do Campeonato Carioca e que colocou o Gigante do Basquete na liderança isolada do torneio. Fiorotto marcou o mesmo número de pontos e também terminou como cestinha.

- Ganhar do Flamengo, que vem conquistando o NBB durante quatro anos seguidos, traz muita felicidade. Nossa equipe é muito nova, costumo dizer que ainda é um "feto". Bater de frente com eles no primeiro jogo, no segundo, e vencê-los com a torcida deles apenas nas arquibancadas é gratificante. Estou muito contente de ter esta oportunidade de estar em um time de camisa, poder oferecer isto para o torcedor vascaíno. Nós queremos mais, sabemos que tivemos erros, mas agora é hora de vibrar e curtir esta vitória que merecemos - disse Nezinho.

Antes do início do Estadual foi feito um acordo para que houvesse torcida única no jogos entre Vasco e Flamengo. Seguindo este padrão, o Gepe fez uma recomendação para que todas as partidas do Carioca no município do Rio de Janeiro fossem realizadas no mesmo formato. No dia 14 deste mês será a vez da torcida vascaína lotar o Tijuca Tênis Clube e apoiar o Cruzmaltino contra o clube da Gávea. Nezinho admite que cresce tecnicamente nos confrontos em que o público está contra sua equipe, mas não esconde a ansiedade de ter o torcedor vascaíno ao seu lado no próximo Clássico dos Milhões.

- Eu estou esperando esta festa há muito tempo. Quando assinei com o Vasco, eu queria ver o ginásio cheio, a galera gritando o tempo todo. Quero sentir isto. Espero que eles possam fazer a festa nas arquibancadas, todo mundo se comportando, a festa que a torcida cruzmaltina sabe fazer. A gente dentro da quadra estará fazendo o melhor para poder retribuir isto com um triunfo. Esta é minha expectativa - contou o camisa 23.

Nezinho comentou sobre o bom rendimento em situações de vaias nas arquibancadas e falou quando isto começou a influenciar positivamente na sua carreira. Desde muito novo jogando basquete, o armador encontrou uma solução para os xingamentos que atrapalhavam no passado. Atualmente, o que antes era um pesadelo para Nezinho, agora serve de motivação nos momentos decisivos.

- Quando eu tinha 18, 19 anos, me incomodava bastante as vaias da torcida rival. A partir dos 23, 24 anos, comecei a transferir este sentimento. Foi aí que transformei estes xingamentos em elogios, percebi que isto mostrava que eu era uma ameaça para a torcida adversária. Duas horas antes do jogo, quando é decisivo, a torcida começa a pegar no meu pé e ai já liga minha tomada, me deixando pronto para a partida. Graças a Deus eu consegui fazer isto com a ajuda de psicólogo esportivo, trabalhando e me conhecendo melhor - completou Nezinho.

O próximo compromisso do Gigante do Basquete será na próxima sexta-feira (07), às 20 horas, contra o Botafogo. A partida , válida pelo Campeonato Carioca, será disputada no Ginásio Vasco da Gama, com torcida única do Almirante.