Oposição e situação brigam na justiça por HD com dados dos sócios

11/11/2017 às 08h24 - POLÍTICA

Está na discrição dos tribunais e dentro de um disco rígido a verdadeira batalha que poderá definir o próximo presidente do Vasco. Enquanto os votos da urna 7 da eleição da última terça-feira ficam sob suspeita a cada nova história que surge, diretoria e oposição duelam na Justiça para saber quem ficará com o banco de dados que promete revelar, de uma vez por todas, se houve ou não quitação das mensalidades dos 663 sócios suspeitos.

A disputa é travada desde agosto, quando ação conjunta movida por Fernando Horta e Julio Brant, então candidatos de oposição, conseguiu a apreensão do banco de dados vascaíno. Nele, há toda movimentação financeira dos sócios do clube. Os arquivos estão custódia do desembargador Cherubin Schwartz Júnior, da 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do estado do Rio.

O Vasco entrou com um mandado de segurança para reaver o disco rígido, que ainda não foi aberto. O clube reclama que o advogado dos requerentes teria tido acesso ao banco de dados e que por isso ele poderia ter adulterado as informações. No primeiro julgamento do mandado, no último dia 30, não houve decisão unânime a respeito do pedido, mas, curiosamente, Eurico saiu sem grandes esperanças: dos três votos do colegiado, dois julgadores negaram devolver ao Vasco o HD, e uma terceira votou por não tomar conhecimento do mandado, por falta de requisitos mínimos.

Essa falta de consenso dos desembargadores gerou um novo julgamento, conforme diz a lei, que foi marcado para a terça-feira do dia da eleição. Mas, de acordo com a oposição, a sessão não ocorreu por ausência de um dos julgadores pautados para a sessão.

Nesta sexta-feira, o Vasco foi notificado da ordem da juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves, da 52ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do estado do Rio, de quem tem 48h, contados a partir da ciência da decisão, para entregar a comprovação de pagamento dos sócios colocados sub judice. O presidente Eurico Miranda garante que já está colhendo para a Justiça as provas de que entrou dinheiro no clube referente a esses associados e que não precisará nem utilizar o fim do prazo, até terça-feira. Para a oposição, o fato de o HD ter sido apreendido antes de a Justiça colocar os sócios da urna como alvos de investigação fará a diferença para a suposta falta de pagamento desses membros vir à tona.

Fonte: O Globo Online