Paulão cita diferenças entre Zé Ricardo e Milton Mendes

28/11/2017 às 08h27 - FUTEBOL

O Vasco venceu o Cruzeiro por 1 a 0 neste domingo e está a uma vitória de conseguir vaga na Libertadores de 2018. O autor do gol decisivo foi o zagueiro Paulão, após cobrança de escanteio de Nenê. Em participação no "Tá na Área", o defensor revelou que o técnico Zé Ricardo treinou a jogada durante a semana, que acabou dando resultado em campo.

- Treinamos durante a semana. O Zé falou que ia sair esse gol. Ele me mudou de posicionamento. Geralmente, eu entro da marca do pênalti para trás. O Zé me pediu para sair no primeiro pau, e saiu o gol - disse Paulão.

O zagueiro também comentou o crescimento do Vasco no Brasileirão depois da chegada de Zé Ricardo. Segundo o jogador, ao contrário de Milton Mendes, o atual treinador tem mais preocupação com o sistema defensivo, e o Cruz-maltino passou a sofrer menos gols.

- Cada técnico tem uma maneira diferente de trabalhar. O Milton tinha uma escola diferente do Zé. O Zé trabalha a parte defensiva para o time se encaixar no ataque, a parte ofensiva. O Milton era diferente. Trabalhava muito a parte ofensiva, muita movimentação. Acontecia tudo diferente, a gente tomava muito gol. A partir do momento em que a gente tinha a bola, a gente criava. Mas, quando não tinha a bola, a gente sofria. Quantos minutos a gente sofreu contra o Cruzeiro? E não tomamos o gol. Todo mundo atrás da linha da bola, posicionado na sua função. Se saía um, outro encaixava. Isso foi o que levou ao nosso crescimento como grupo.

Paulão também comentou sua parceria na defesa com Anderson Martins. Na sua opinião, o colega de zaga tem uma habilidade rara para um jogador da sua posição e as características dos dois combinam.

- O Anderson é um cara muito técnico, muito clássico. Tem uma habilidade, para um jogador da função, como zagueiro, que pouquíssimas vezes você consegue achar. Joga pelo lado esquerdo sendo destro, mas joga com uma facilidade muito grande. Pelo outro lado, eu sou mais da força, da dedicação, da vontade, da raça. Isso, a gente acaba casando. Eu trabalhei com alguns técnicos que diziam que um zagueiro tem que ser "porrada", forte, e outro clássico, até para o jogo sair. Eu e Anderson temos muito disso. Dentro do dia a dia, ele é muito tranquilo, muito pacato, na dele. Eu sou um pouco mais agitado. Tudo isso influencia para, dentro de campo, as coisas darem certo.

Emprestado pelo Inter até o fim do ano, Paulão não afirmou se pretende seguir no Vasco em 2018 ou se gostaria de retornar para o clube gaúcho. No entanto, declarou que 2017 foi um bom ano e que aprovou o Rio de Janeiro.

- Eu tenho contrato com o Internacional, tenho mais dois anos de contrato. Eu vim emprestado para o Vasco e acaba dia 31. Vai depender da diretoria do Vasco e da diretoria do Inter. Da minha parte, eu vou ficar isento (...) Esse ano, para mim, foi muito bom. Não só por estar jogando, mas por estar respirando novos ares, por viver coisas diferentes aqui no Rio de Janeiro. Eu não tinha jogado aqui ainda.

O Vasco recebe a Ponte Preta no domingo, às 17h, em São Januário. Se vencer, estará na Libertadores em 2018.

Fonte: SPORTV