Permanência de Jorginho em 2017 fica indefinida

Em 06/10/2016 08:16
 
Jogadores do Vasco recebendo instruções do técnico JorginhoJogadores do Vasco recebendo instruções do técnico Jorginho
Foto: Paulo Fernandes

O fogo que ficou baixo com o gol de Pikachu já nos acréscimos da vitória sobre o Oeste e praticamente se apagou com as boas atuações diante de Santos e Atlético-GO voltou a aquecer a frigideira de São Januário. A perda da liderança da Série B após duas derrotas consecutivas e, principalmente, as atuações ruins do Vasco voltaram a colocar Jorginho em evidência. O treinador, que sofre questionamentos internos desde a má fase após a parada durante a Olimpíada, chega para partida contra o Londrina, sábado, questionado. Nos bastidores sua permanência para 2017 já é apontada como improvável.

Conta a favor de Jorginho neste momento de pressão o histórico de Eurico Miranda, que não é adepto de mudanças abruptas de comando. Faltando nove rodadas para o fim da Série B, somente indícios muito fortes de que o acesso realmente estaria em risco provocariam uma demissão. Ao término da temporada, porém, o trabalho será reavaliado e o desgaste evidente no dia a dia coloca a permanência em risco.

Jorginho tem acordo com o Vasco até dezembro de 2017, assim como seu auxiliar técnico, Zinho. O vínculo empregatício, entretanto, é na carteira de trabalho e não contratual, o que facilitaria a ruptura antes do prazo. Uma série de fatores tem colocado a continuidade do casamento entre clube e treinador em xeque e encontram eco na queda vertiginosa de rendimento da equipe, que ocupa somente a 12ª colocação no segundo turno da Série B.

Antes unanimidade, Jorginho é questionado por suas escolhas recentes. Se a aposta no jovem Douglas foi certeira - e o mérito por isso é reconhecido -, o treinador fez alterações que tiveram influência direta nas atuações ruins diante de Náutico e Paysandu. Julio dos Santos e Thalles foram apostas que não deram certo em Recife e Belém e mudaram a forma de jogar da equipe, que sofreu seis gols de adversários com maior volume de jogo. Em Pernambuco, Martín evitou tragédia ainda pior.

A relação com a diretoria também está longe de ser próxima como em outros momentos. A centralização na tomada de decisões no dia a dia gera desconforto, inclusive com membros da comissão técnica permanente do clube, e métodos de treinamentos são questionados. Outro ponto nítido no cotidiano do clube é o distanciamento com o gerente de futebol Isaías Tinoco, único dirigente nas viagens pelo Norte do país.

- Pelo contrário, estamos mais próximos do que antes. Jorginho trabalhou comigo como jogador, trabalhamos em outras oportunidades e, se não fez um trabalho perfeito, foi quase perfeito por 34 jogos. Os últimos resultados não abalam em nada nossa confiança e torcemos para que as coisas aconteçam da melhor maneira - ponderou Isaías. A reportagem do GloboEsporte.com, no entanto, mantém a informação.

Dentro do elenco, a avaliação aponta para um Jorginho boa praça e de trato cordial no dia a dia. As constantes alterações e até mesmo improvisações, por sua vez, incomodam. Sábado, às 18h30 (de Brasília), novas mudanças serão realizadas. Nenê volta, Julio Cesar está suspenso, e vencer o Londrina é primordial. Não somente pelo futuro do Vasco, mas também para o treinador em 2017.