Se Brant for eleito, Fernandes deve trabalhar nas finanças do Vasco

03/11/2017 às 08h18 - POLÍTICA

Depois de fecharem união de olho na eleição para a presidência do Vasco, Julio Brant e Alexandre Campello acertaram a entrada de mais uma liderança ao grupo. Antônio Miguel Fernandes, da chapa “Novos Rumos”, abriu mão da candidatura para engrossar a campanha a favor de Brant.

Os três já vinham conversando a respeito da fusão. As tratativas se intensificaram depois da participação no debate da Rádio Globo, na última sexta-feira. Fernandes e seu principal apoiador Hércules Figueiredo, tentaram barganhar alguma cadeira na diretoria, mas não conseguiram.

Ficou acertado que Miguel Fernandes, contador e professor, atuará na sua área: finanças ou Conselho Fiscal do clube, caso Julio Brant seja eleito presidente nas eleições da próxima terça-feira.

No acordo fechado entre os grupos de Brant e Campello, ficou acertado que a Frente Vasco Livre terá direito a indicar o presidente do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal. Já os aliados de Brant terão reservados a presidência da Assembleia Geral e a vice-presidência de futebol.

A união entre os grupos, fechada pelos cabeças das respectivas chapas e oficializada na última segunda-feira, não agradou a todos os integrantes da Sempre Vasco, de Brant, e da Frente Vasco Livre, de Campello. Apesar da junção de esforços ter como objetivo vencer Eurico Miranda, alguns nomes importantes da política vascaína decidiram não participar da eleição.

— O meu grupo vai participar, mas eu estou fora. Não participo de nada com ele e esses dois ex-jogadores (Edmundo e Felipe). Não estarei na chapa e não irei votar no dia — revelou Nelson Rocha, ex-vice-presidente de finanças do Vasco e membro do Vira-Vasco, que apoia Campello.

Fonte: Extra