Torcedor agredido em SJ conta sua versão do episódio

Em 19/05/2017 08:19
 

No sábado passado, véspera da estreia no Brasileiro contra o Palmeiras, um episódio controverso ocorreu em São Januário. Ao fim do treino comandado por Milton Mendes e liberado para a torcida, um torcedor gritou pela saída de Eurico Brandão do cargo de vice-presidente de futebol do clube. O que ocorreu depois foi uma confusão com duas versões.

Até o momento, não há vídeos ou imagens do que aconteceu. X, que prefere seguir no anonimato, segundo ele, com medo de represálias, afirma ter sido o autor das críticas. Na sequência, teria sido agredido por três seguranças do clube na arquibancada:

- Eu gritei para que ele deixasse o Vasco. Ele me viu e ficou me encarando, pegou o telefone e falou com alguém. Um amigo disse para eu ir embora, mas não acreditei que seria preciso. Depois disso, três homens chegaram e me agrediram com chutes. Já no lado de fora, um torcedor me procurou e disse que havia filmado tudo, mas que um segurança puxou uma arma e mandou que ele apagasse o vídeo.

Segundo X, ele não fez registro de ocorrência na delegacia depois da agressão por medo e para deixar o episódio para trás. Entretanto, com a versão dada pelo Vasco e por Euriquinho, o torcedor decidiu que entrará com uma queixa-crime no Ministério Público.

No início da semana, o Vasco afirmou em nota que Eurico Brandão foi ofendido por torcedores, que teriam sido repreendidos por outros, dando início à confusão. De acordo com o clube, os seguranças entraram em ação para apartar a briga. Já Euriquinho alegou não ter visto nada.

- Eu não vi. Estava com meu filho, de sete anos, não tinha a menor condição de me envolver em conflitos.