Tudo que você precisa saber sobre a eleição no Vasco

07/11/2017 às 12h28 - POLÍTICA

O Vasco vive um momento de decisão nesta terça-feira, 7. Durante todo o dia, sócios e conselheiros votarão para escolher o presidente do clube nos próximos três anos.

A disputa pela presidência conta com três candidatos. Eleito em 2014, Eurico Miranda concorre pela chapa "Reconstruindo o Vasco" e tenta a reeleição no que seria seu quarto mandato na história (ele já havia presidido o clube de 2002 a 2004 e de 2005 a 2008).  Júlio Brant, do "Sempre Vasco Livre", e Francisco Horta, do "Mudança Com Segurança", se colocam como oposição.

Brant sempre esteve do lado contrário ao de Eurico desde que se tornou presente na política vascaína, e conta com o apoio importante de ídolos do clube, como Felipe, Edmundo, Pedrinho e Mauro Galvão. Além disso, conseguiu a união de outras chapas, como a de Antonio Fernandes, que era da “Novos Rumos” e de Alexandre Campello, da “Frente Vasco Livre” e que passou a ser vice-geral de Brant.

Fernando Horta é a terceira via apresentada. Ele apoiou Eurico Miranda e era vice-geral durante o mandato, mas optou por romper assim que o presidente iria concorrer à reeleição e não apoiar sua candidatura, que era o combinado desde o início. Caso eleito, ele ainda terá que acumular a função de presidente da Unidos da Tijuca, escola de samba do Rio de Janeiro. Horta ganhou o apoio de Otto de Carvalho, que retirou a chapa “Ao Vasco Tudo”.

VOTAÇÃO E PROJETO DO VENCEDOR

A votação iniciou por volta das 09h, mas a movimentação no local já era grande desde a manhã, inclusive com manifestações a favor dos candidatos se iniciando no dia anterior. Ainda durante a noite, uma faixa a favor de Fernando Horta foi colocada na entrada de São Januário.

A expectativa é de que haja um grande número de votantes, com número estimado entre 6 e 7 mil pessoas indo às urnas. A estimativa é de um alto número de pessoas comparecendo, entre 6 e 7 mil votando. Pelas projeções, o vencedor da eleição vascaína terá mais de 2 mil votos, sendo que o candidato que alcançar 2,3 mil deverá se eleger. A votação estará aberta até as 22h.

A existência de votos 'fantasmas', tema de outras eleições, também voltaram a ser comentados durante o pleito. Partidários de Horta dizem ter derrubado 691 votantes irregulares, sendo “quase 200 mortos”. Há um grupo de trabalho para investigar na hora.

Falando de números, a rejeição a Eurico Miranda é grande. Segundo pesquisa, em torno de 52% das pessoas se colocam como contrários à continuação do atual presidente. O número, no entanto, pode se tornar um trunfo para sua reeleição. Explica-se: muitos desses votos dividiriam-se entre Brant e Horta, e tirariam força dos outros dois candidatos.

BRIGA E ACUSAÇÕES ENTRE SITUAÇÃO E ÍDOLOS

Um dos principais pontos a favor de Júlio Brant é o apoio recebido de ídolos do Vasco. Mauro Galvão, Felipe, Pedrinho e Edmundo participam desde o início da campanha e fazem questão de demonstrar seu lado na votação e, principalmente, a reprovação a Eurico Miranda.

Importante lembrar que os quatro foram jogadores enquanto Eurico Miranda era o principal nome no bastidor vascaíno, seja como vice-presidente ou como mandatário do clube.

Sempre tenso, o clima envolvendo os dois lados aumentou nos últimos dias, e em entrevista coletiva na última segunda, 6, o vice do Vasco e filho de Eurico Miranda, Eurico Brandão, acusou Felipe de incentivar boicote junto ao elenco.

“Não há clube que resista. Ex-atleta que liga para os jogadores para boicotar, colocar todos contra todos dentro do clube. Incentiva a não ganharem os jogos. Como o clube sobrevive a isso? Tenho plena convicção de que o presidente vai ser reeleito amanhã. De repente o departamento de futebol tem um respiro, um alívio. O que acontece aqui é coisa de outro mundo. No futebol acabamos sabendo de tudo. Muitos atletas receberam ligações, outros se reuniram. O ex-atleta que fez isso é o Felipe”, afirmou.

Euriquinho também revelou que os próprios atletas do Vasco revelaram a investida de Felipe, mas sem revelar muitos detalhes.

“Os atletas foram leais nos dizendo o que houve. Não sabemos detalhes do que foi dito, mas sabemos que foi para jogar uma pressão, colocar um contra o outro. Eu acredito que o futebol é muito mais mental do que outra coisa. Isso influencia demais no jogo. Eu gosto de fazer minhas afirmações depois que conversar com todos para chegar a uma conclusão”, completou.

Felipe respondeu as acusações e negou qualquer tipo de conversa ou incentivo a corpo-mole aos jogadores.

“Minha vitoriosa carreira no Vasco foi conquistada com muito trabalho e dedicação. Meu caráter é uma herança de minha família e da minha formação como atleta nas divisões de base do Vasco. Minha imagem é o meu maior patrimônio, como ex-atleta, ídolo, profissional do futebol e pai de família. Os inúmeros títulos que conquistei no Vasco são o meu orgulho. Portanto, repudio, veementemente, as declarações FALSAS que essas pessoas insistem em utilizar para tumultuar o processo eleitoral do Vasco a partir do momento que me posiciono a favor da renovação e da transparência", afirmou.

Fonte: ESPN