Vasco encara o São Paulo hoje, com retorno da torcida em São Januário

12/11/2017 às 07h50 - FUTEBOL

A eleição do Vasco não acabou. O receio de que novos conflitos se repitam na volta a São Januário com presença da torcida, por causa do clima político em ebulição, faz com que a partida de hoje, às 17h, contra o São Paulo, tenha atenção especial da diretoria e do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe) da Polícia Militar.

O jogo é fundamental para a permanência do time da Colina na briga por uma vaga na Libertadores. Os olhares, entretanto, não estarão só no que acontecerá em campo, mas também nas arquibancadas, dividida entre apoiadores e opositores de Eurico Miranda — um racha que se reproduz na principal organizada do clube, proibida pela Justiça de frequentar estádios por conta de episódios de violência.

Segundo o presidente Eurico Miranda, o Vasco tomou medidas para evitar que haja confusão. A memória dos incidentes no clássico com o Flamengo, que resultou na interdição de São Januário e na perda de seis mandos de campo, ainda estão vivas na mente dos torcedores.

— Contratamos uma empresa de segurança privada, a mesma que fez a segurança da eleição, que foi muito boa. Não tenho noção de quantos homens serão, mas garanto que serão mais de cem — assegurou o presidente vascaíno.

Além disso, a polícia deve proibir que torcedores entrem em São Januário vestindo camisas ou portando referências às diferentes chapas que disputaram a eleição. Nos últimos jogos do Vasco como mandante, realizados no Maracanã, militantes dos candidatos à presidência foram ao estádio com roupas que remetiam aos candidatos.

Após a partida contra o São Paulo, o time ainda terá mais dois compromissos em casa neste Brasileiro: contra Atlético-MG e Ponte Preta. Para chegar à Libertadores, é fundamental que fique longe de punições e dispute seus jogos com o apoio da torcida.

Fonte: Extra Online