Vasco 'reencontra' formação tática no segundo tempo

Em 14/09/2016 08:21
 
JorginhoJorginho
Foto: Kaio Machado

Quando o torcedor do Vasco viu que Marcelo Mattos entraria no intervalo no lugar de Ederson, houve desconfiança. Mas a alteração de Jorginho foi decisiva para que o time equilibrasse o jogo contra o Goiás, no empate em 1 a 1 no Serra Dourada. A mudança fez o Cruz-Maltino retomar o esquema tático com o meio-campo em losango e, após primeiro tempo muito ruim, ganhar força num duelo complicado. A vitória escapou nos minutos finais, mas é de se pensar o que o treinador pode fazer nas próximas partidas. 

Jorginho começou o jogo no 4-3-3, com Yago Pikachu e Júnior Dutra abertos, enquanto Ederson ficou centralizado no ataque. A proposta já não tinha inspirado confiança na suada vitória sobre o Oeste. Também não funcionou no primeiro tempo contra o Goiás. O Vasco pouco ameaçou e deu muitos espaços na defesa, sem força no meio-campo e vulnerável pelos lados. 

Andrezinho foi o maior exemplo disso. Com mais atribuições defensivas no primeiro tempo, ele pouco lembrou o motorzinho que guiou o Vasco em boa parte da temporada. Com a entrada de Marcelo Mattos no intervalo, ganhou liberdade e passou a ditar o ritmo cruz-maltino. 

- A equipe jogou muito bem no segundo tempo. Não teve bom primeiro tempo, acho que a gente não conseguiu esse encaixe na marcação. Conseguimos essa consistência no segundo tempo. O Vasco precisa jogar bem, ser protagonista - disse Jorginho, após o jogo. 

O retorno ao 4-4-2 só não fez Nenê aparecer como era esperado. O meia esteve discreto durante a partida, apesar de toques de categoria esporádicos. Mas foi decisivo, como todo craque tem que ser, ao cobrar a falta que resultou no gol de Mattos. 

orginho começou o jogo no 4-3-3, com Yago Pikachu e Júnior Dutra abertos, enquanto Ederson ficou centralizado no ataque. A proposta já não tinha inspirado confiança na suada vitória sobre o Oeste. Também não funcionou no primeiro tempo contra o Goiás. O Vasco pouco ameaçou e deu muitos espaços na defesa, sem força no meio-campo e vulnerável pelos lados. 

Andrezinho foi o maior exemplo disso. Com mais atribuições defensivas no primeiro tempo, ele pouco lembrou o motorzinho que guiou o Vasco em boa parte da temporada. Com a entrada de Marcelo Mattos no intervalo, ganhou liberdade e passou a ditar o ritmo cruz-maltino. 

- A equipe jogou muito bem no segundo tempo. Não teve bom primeiro tempo, acho que a gente não conseguiu esse encaixe na marcação. Conseguimos essa consistência no segundo tempo. O Vasco precisa jogar bem, ser protagonista - disse Jorginho, após o jogo. 

O retorno ao 4-4-2 só não fez Nenê aparecer como era esperado. O meia esteve discreto durante a partida, apesar de toques de categoria esporádicos. Mas foi decisivo, como todo craque tem que ser, ao cobrar a falta que resultou no gol de Mattos.