VP de finanças fala sobre LASA e contratos de vendas de jogadores

06/02/2018 às 15h11 - CLUBE

A troca de gestão do Vasco vem sendo feita desde a posse de Alexandre Campello, no dia 23 de janeiro. Ou seja, são quase duas semanas à frente do Vasco e uma questão preocupa: a financeira. Ainda aguardando as quantias das vendas de Mateus Vital, Philippe Coutinho e um depósito de 10 milhões de reais previsto pela nova patrocinadora do clube, a Lasa, o vice-presidente de finanças do Vasco, Orlando Marques, detalhou as questões em contato com a reportagem do Esporte Interativo. 

LASA 

Na gestão de Eurico Miranda, que foi até o dia 16 de janeiro, um contrato de patrocínio master foi firmado com Lasa Indústria Farmacêutica. A previsão de assinatura era no dia 31 de janeiro e, mediante a isso, aguardava-se o pagamento de R$ 10 milhões no ato, além de mais 8 milhões de reais diluídos ao longo do ano. Porém, isso não aconteceu, e o VP de finanças Orlando Marques explicou. 

"Olha, o que eu posso dizer é que estamos trabalhando 24 horas para rever todos os contratos do Vasco. Todos. Precisamos ver se esses contratos são bons para o Vasco. Ainda não caiu nenhum dinheiro, existem algumas situações a serem resolvidas. Não posso dar prazo. O que eu posso garantir é que todos os contratos estão sendo examinados, mesmo com a dificuldade de informações que encontramos ao chegar aqui". 

MATEUS VITAL, MADSON E COUTINHO 

Próximo ao contrato firmado com a Lasa, também na gestão anterior - de Eurico Miranda -, o meia Mateus Vital e o lateral Madson, que pertenciam ao clube, foram vendidos para Corinthians e Grêmio, respectivamente. Porém, segundo Orlando Marques, a quantia de Vital ainda não foi depositada e a de Madson feita na gestão anterior. 

"Ainda não caíram. Estamos trabalhando caso a caso para rever os contratos e entender tudo. Trabalhando o dia todo. O Coutinho é uma situação um pouco mais demorada, apesar de já estar jogando pelo Barcelona, tem um trâmite de transferência financeira internacional, mas que deve se resolver em breve. Não posso dar prazo, como disse. Estamos trabalhando também em cima do Mateus Vital. Tudo com muita calma e cuido para analisar se é bom para o Vasco". 

Pelo mecanismo de solidariedade da FIFA, o Vasco receberá 2,5% da venda de Coutinho - que estava no Liverpool-ING - ao Barcelona-ESP. O valor gira em torno de 15 milhões de reais. No primeiro momento, o clube espanhol, até 30 dias após o registro do craque brasileiro na federação local, precisa depositar cerca de R$ 12 milhões, e depois mais três, conforme o contrato firmado com o time inglês. O Cruz-Maltino já até contratou um escritório de advocacia para receber a quantia mais rapidamente. O Esporte Interativo apurou que esse dinheiro deve cair até a próxima sexta-feira (09), porém, ainda há a possibilidade do valor ser penhorado por conta de dívidas do Gigante da Colina. 

Os casos de Vital e Madson são diferentes. O meia foi vendido ao Corinthians e o lateral ao Grêmio. Ambos pertencem ao mesmo empresário (Carlos Leite), que tem forte ligação com Eurico Miranda, ex-presidente, e intermediou as negociações. É importante frisar também que Carlos Leite fez um empréstimo ao Vasco de Campello neste mês para pagar os salários atrasados de novembro. 

O Esporte Interativo entrou em contato com Romildo Bolzan, presidente do Grêmio, e ele afirmou que já fez o pagamento relacionado ao lateral direito, mas não pôde informar quando por se tratar de uma "cláusula de confidencialidade". Segundo apuração do EI, a quantia de Madson foi paga na gestão anterior e, como o próprio Orlando Marques afirmou, a dificuldade de informação na transição de gestão é grande, por isso também será um contrato revisto pelo clube. As vendas de Madson, Vital e Coutinho, junto com os R$ 10 milhões que a Lasa deveria ter pago, somam uma quantia de cerca de 32 milhões de reais. 

www.esporteinterativo.com

Fonte: Esporte Interativo