VP de quadra e salão fala sobre basquete, vôlei e parceria no futsal

Em 30/08/2013 18:39
 

Em uma entrevista exclusiva ao Só dá Vasco, Ricardo Leon, vice-presidente de quadra e salão do Vasco, fez uma análise sobre o futsal, reformas no ginásio, basquete e vôlei.

Confira!

Futsal e resultados do estadual 

-A gente está com esses resultados, onde ganhamos praticamente todos os jogos, nas duas semanas só tivemos uma derrota, mas foi uma derrota meio que calculada ali, o time foi bem em quadra, e o time foi bem em todas, subimos alguns garotos, trocamos gente nova para poder melhorar mesmo. Agora a gente está jogando aqui de novo, nas quadras reformadas.

Reforma do Ginásio
-O Ginásio quem pode falar melhor é engenharia do clube, Manuel  Santos, que pode informar mas a gente tem notícias de que vão reformar a marquise e e depois vão para o telhado do Ginásio. Então a partir do ano que vem já teremos o Ginásio para trabalhar.

Análise do Basquete e sobre comissão técnica
-O Brasília e o Cristiano são competentes, a gente não tem o que questionar, precisamos de mais apoio lá, pelo menos mais um ou dois profissionais para ajudar nos treinamentos e o problema é que a gente vem sempre bem nas categorias mais novas, a medida que vão ficando mais velhos e o clube já fez um certo investimento, começam a remunerar os atletas e eles vão embora e é isso que está acontecendo. Estamos tentando conseguir uma verba para segurar esses atletas maiores e até trazer os que já saíram, isso que está acontecendo, na verdade ficamos fragilizados nas categorias mais velhas por causa disso.

Parceria no futsal
-Primeiro a gente quis colaborar com o próprio campeonato da federação que o Corrêas só viria para o campeonato se fosse com a parceira com a gente e o Tamoyo viria de qualquer forma, que o Tamoyo vindo seria mais um clube para participar. O Corrêas foi campeão da Superliga, campeonato da federação. E a gente achou que o time estava em melhores condições, a gente pode ajudar, mandar alguns atletas para lá, porque é mais perto que Cabo Frio, é aqui em Petrópolis, e diferentemente do outro semestre, que Cabo Frio é mais longe, é pior para mandar alguém é mais difícil e aí fizeram só com atletas da região mesmo, e na verdade a gente consegue uma ingerência maior fazer com o Corrêas do que com o Tamoyo, mas a gente quer é participar, colocar em todas as categorias e o principal é que em Cabo Frio com o Tamoyo a gente criou um vínculo com a torcida que a torcida ia lá participava, todo jogo nosso tinha faixas e a gente quer fazer isso com o Corrêas também, e se de repente a gente no outro semestre tiver um outro clube de outra cidade que tiver um campo com condições de disputar a gente pode trocar na medida que a gente vai inserindo o Vasco nessas praças onde não temos futebol.

Análise sobre o estadual de vôlei e parceria com as Óticas Carol
- O caso do vôlei é parecido com o Basquete, a gente consegue essas atletas e alguém vem e faz um investimento e acaba levando porque está investindo numa ajuda de custo, que na verdade não faz diferença nenhuma esse dinheiro, mas o pessoal quer receber, quer dizer que está ganhando alguma coisa e acaba indo embora e o que a gente quer hoje é fazer o mesmo tipo de investimento.  O que as Óticas Carol ajuda hoje já é muito bom, pois a gente já consegue trazer alguém de fora do Município para cá para disputar pelo Vasco mas acabam uma ou outra saindo mesmo, é bem parecido. O trabalho hoje do vôlei no Vasco é recente, por mais que estejam a 4 anos disputando é recente, e precisa de mais tempo, de sedimentar um pouco mais para que as pessoas passem a conhecer e vê que o Vasco tem vôlei mesmo, que participa do campeonato, mas vamos manter e tentar melhorar essa questão financeira.