Zé Ricardo: 'É um grupo que tem de tirar o chapéu'

10/11/2017 às 13h05 - FUTEBOL

Zé Ricardo: "Tirando o Corinthians que esteve destacado da competição, a parte central da tabela ficou muito achatada, com diferença de quatro ou cinco pontos do G-4 pro Z-4. O São Paulo disputou 12 pontos, ganhou 10, isso dá uma subida. A gente empatou três, demos uma patinada, mas foram importantes porque continuamos andando para frente. Acredito que as duas equipes chegam nessa rodada próximas"

Zé Ricardo: "Acredito em um jogo bastante ofensivo. Quem ganha com isso é a torcida. Um jogo bem agradável. Queremos manter a nossa postura dentro da Vila Belmiro. É isso que a torcida espera".

Zé Ricardo: "Pontos corridos sem dúvida é a forma mais correta, mais justa, porque premia a regularidade. Mas aí vamos entrar em outras questões, a capacidade de investimento dos clubes, a diferença é muito grande, e hoje temos competições mata-mata que mantém essa questão, Copa do Brasil, Libertadores, Sul-Americana. É fazer com que a forma de disputa acabe moldando o planejamento dos clubes".

Zé Ricardo: "Uma série de fatores. A principal mudança tinha de ser interna, nossa. A gente saiu muito frustrado do jogo contra o Vitória. O vestiário foi muito ruim pelo fato de não termos produzido praticamente nada. Por incrível que pareça quase vencemos. Mas ficamos muito frustrados com a atuação. Mostrei a eles que não adiantava treinar finalização se não mudar a essência"

Zé Ricardo: "É um grupo que tem de tirar o chapéu. Tudo que a gente passa é absorvido, topam tudo para tentar melhorar o rendimento. Qualidade a gente tinha, conhecimento a gente tinha, então a gente tinha de mudar exatamente a competitividade, transformar aquilo ali em ação. A gente entendeu que a partida contra o Santos seria uma boa chance de mostrar para a nossa torcida que pode confiar".

Fonte: GloboEsporte.com