Bem na carreira e na vida pessoal, Zé Roberto espera brilhar com a camisa do

05/08/2010 às 08h09 - CLUBE

Lembra da fala mansa e de poucas palavras do Zé Roberto? Continua a mesma. Mas as atitudes dentro e fora de campo, quanta diferença. Após ter convivido com problemas de indisciplina e de peso durante boa parte da carreira, o apoiador mostra que vive um momento bem mais tranquilo, tanto na vida pessoal quanto na profissional.

Desde que chegou ao clube, o jogador tem surpreendido nas entrevistas coletivas com seu jeito tranquilão de ser. Mais surpreendente ainda, porém, tem sido sua dedicação em campo e sua boa forma física. Ele destaca que teve de mudar alguns hábitos para não repetir os erros do passado.

– A idade vai chegando e tive de enxergar a necessidade de ter mais cuidado com o meu corpo. Sou novo, mas não tenho mais 23 ou 24 anos. Antes, eu comia muito, mas perdia peso com facilidade. Não tinha problema de peso. Agora, issomudou (risos). Não deixo de comer coisas de que gosto. Mas, em vez de comer dois, como apenas um.

Além disso, nas férias, busco fazer alguma atividade – explicou.

Alguns problemas de comportamento mancharam o início da carreira de Zé Roberto. A má fama chegou a um ponto que, em 2005, por exemplo, quando foi negociado com o Botafogo, havia uma cláusula em seu contrato que permitia ao clube liberá-lo em caso de indisciplina.

Já pelo Flamengo, no ano passado, o problema foi com a balança. Ele iniciou sua passagem pela Gávea visivelmente acima do peso e não conseguiu ter boas atuações. Somente após ter sido afastado – e praticamente descartado – que o jogador aproveitou o tempo fora para aprimorar a forma física, voltou bem ao time e foi peça fundamental para a conquista do Campeonato Brasileiro daquele ano: – Tomei algumas atitudes no passado que hoje não tomaria. Mas foram coisas da idade.

No Flamengo, havia uma pressão para eu jogar e apresentar um bom futebol. Depois que voltei ao time, já estava melhor fisicamente.

Aqui no Vasco tive a tranquilidade para trabalhar e isso tem ajudado muito.

Virando a página, o meia prefere, em vez de ficar lamentando, aprender com os erros do passado para se tornar um profissional melhor. Ele garante que o torcedor pode esperar por um Zé Roberto sempre muito dedicado, e sonha em ter na Colina o melhor momento de sua carreira.

– Apesar dos problemas, sempre tive uma carreira maravilhosa e de muitas conquistas. Mas espero que meu melhor momento possa ser no Vasco. Espero sempre melhorar. Não dá para ficar estacionado. Vou me dedicar nos treinos e nos jogos para isso – garantiu o camisa 10.

Zé Roberto ganhou pontos com a torcida

O passado rubro-negro não chegou a causar problemas a Zé Roberto desde que desembarcou em São Januário. O jogador, campeão brasileiro pelo Flamengo em 2009, teve boa estreia justamente contra o rival vascaíno e as duas canetas que aplicou em cima de Willians e Juan garantiram pontos preciosos com a torcida. Rindo, ele comentou o lance.

– Olha, o pessoal (do Flamengo) deve ter ficado chateado. O Juan tem aquele jeito sério, mas é um cara muito bom. Esse lance pode ter ajudado, mas a minha relação com a torcida doVasco foi de amor à primeira vista – destacou o camisa 10.

Apesar do histórico no passado, Zé Roberto se diz hoje uma pessoa mais caseira, que aproveita os momentos de folga com a mulher Michele e o filho João Vitor, de quatro anos. O jogador garantiu que quando está em casa não consegue parar de assistir novelas e filmes. Por isso, já ouviu reclamações por parte da esposa. No campo musical, o jogador se considera uma pessoa eclética.

Com exceção do rock pesado, o Zé Roberto diz que ouve de tudo, com destaque para MPB e pagode: – Gosto de Djavan, Maria Gadu e curto também o Grupo Revelação.

Moro na beira da praia, mas não gostou de entrar na água, que é muito fria (risos). Prefiro ficar apenas olhando da minha varanda.

\"Ele sempre foi muito esforçado em campo\"
Allan Delon, jogou com Zé Roberto no Vitória (BA), em 2003

Ele sempre foi um cara tranquilo, tinha uma convivência muito boa com todo os jogadores do Vitória.

Enquanto jogamos juntos, éramos praticamente irmãos, nos ajudávamos muito dentro e fora de campo. O Zé Roberto sempre foi um pessoa muito humilde, que sabia ser amigo dos companheiros de time.

Desde os tempos de Vitória, ele sempre demonstrou muito esforço e dedicação dentro de campo, principalmente na parte física.

Fora de campo, não tínhamos muito o hábito de sair juntos. Depois das atividades, ia casa um para sua casa, mas o que ele fazia fora de campo nunca influenciou a qualidade do seu futebol.

Fico feliz pela boa fase dele no Vasco. Ele merece.

Bate-bola com Zé Roberto

Você mostra estar bem em campo. Mas, e fora dele? Tem coisas que você fazia e deixou de fazer?
Eu saía, sim. Fiz algumas coisas que não faria. Mas era coisa da idade mesmo. O tempo vai passando e vamosmudando,amadurecendo.

E o que você faz hoje em dia?
Não sou muito de sair. Gosto mais de ficar em casa, ver filmes, novelas. Sou bem noveleiro. Se estou em casa, assisto a todas (risos). Minha esposa até reclama às vezes porque eu não gosto muito de sair. Ela gosta de ir ao shopping e sofre com isso. Não gosto de locais muito movimentados. Quando saio, vou a algum restaurante com meus familiares. Não gosto, por exemplo, de ficar vendo futebol na folga. Nas férias, então, não quero nem saber de bola.

Tem algum filme recente que tenha marcado mais?
São tantos. É difícil, pois vejo muitos filmes por dia. Na folga, assisto a uns três ou quatro por dia. Minha esposa que não tem muita paciência (risos).

Falando sobre as férias, aquelas peladas de fim de ano nem pensar então...
Até faço treinos físicos para voltar bem das férias. Aprendi a gostas de fazer esses treinos. Mas férias é para ficar com a família. Não sou de ficar jogando peladas, não. Prefiro fazer outras coisas.

(Matéria reproduzida diretamente da versão papel do Jornal Lance)

Fonte: Jornal Lance