Ex-treinador de Bruno César em 2010, fala sobre o jogador

23/12/2018 às 08h20 - FUTEBOL

Após quatro anos no exterior, o meia Bruno César retorna ao futebol brasileiro com a missão de ser o camisa 10 do Vasco. Com 30 anos, o jogador vai assinar contrato por 2 anos com o clube. Bruno César chega ao Cruzmaltino cercado de muita expectativa, mas também com um pouco de desconfiança. Afinal de contas atuou pouco pelo Sporting-POR no último semestre, apenas cinco jogos. Outro fator que pesa contra o atleta foi a passagem sem muito destaque pelo Palmeiras, em 2014.

Apesar do histórico negativo, a qualidade de Bruno César é indiscutível. Para comprovar isso, o Esporte 24 Horas conversou com o técnico Sérgio Soares. O treinador comandou o meia no Santo André, em 2010. Na ocasião Bruno César apareceu no cenário nacional, se destacando no Campeonato Paulista e terminando com o vice-campeonato. Em entrevista exclusiva, Sérgio Soares afirmou que o jogador vai contribuir e muito para o Vasco.

“Acredito que o Vasco vai ter um atleta de uma determinação imensa, além das suas qualidades. Ele vai contribuir na parte técnica, na questão da liderança. É um atleta experiente, atuou muito tempo na Europa. Então tem o perfil para contribuir na ascensão técnica do Vasco”.

Quanto ao histórico recente de Bruno César, Sérgio Soares minimizou, afirmando que a única dificuldade pode ser a readaptação ao futebol brasileiro.

“Não acredito que essas oscilações que ele teve no Sporting venha a atrapalhar nesse início no Vasco. É uma outra etapa, a motivação é outra, de vestir uma camisa de gigante no Brasil novamente. É um novo ciclo. O que possa vir a atrapalhar é a questão da readaptação ao futebol brasileiro. Ele pode ter uma dificuldade no início até trocar o chip. Já jogou aqui e vai saber se adequar rapidamente”.

Questão física o atrapalhou no Palmeiras

A passagem pelo Palmeiras também foi pauta da entrevista. Pelo Verdão, Bruno César teve algumas lesões que o impediram de ter uma sequência. Fez apenas 20 jogos e marcou 2 gols. Para Sérgio Soares, o meia sofreu com os problemas físicos e isso foi determinante para não ter desempenhado um bom futebol.

“A falta de sucesso no Palmeiras passou muito pela questão física. Eu entendo que ele precisa estar muito bem fisicamente para desenvolver e ele sabe disso. A passagem ruim no Palmeiras serviu de experiência para ele e agora, sabendo disso, vai conseguir apresentar o seu melhor”.

Polivalência e inteligência

Bruno César é um jogador que se destaca por atuar em várias posições do campo. No entanto, Sérgio Soares o prefere na faixa central do meio-campo. Para o treinador, o jogador rende melhor nessa função.

“O Bruno tem facilidade em jogar por várias posições do setor esquerdo. Joga de lateral, volante, meia e segundo atacante. Mas a posição que ele desenvolve melhor é a de meia, que trabalha por trás, na formação de 4-2-3-1. Mas se precisar fazer o lado de campo, ele também faz. Ele desenvolvendo bem essas funções, o Vasco vai ter um grande acréscimo técnico na sua equipe”.

A característica mais conhecida de Bruno César são os chutes de média distância. Entretanto para Sérgio Soares essa não é a principal qualidade do jogador. Para o treinador, a capacidade de recomposição é o que faz de Bruno César ser um meia especial.

“Ele tinha a recomposição e chegava na área. Isso é o diferencial para um jogador. Saber jogar com e sem a bola. Ele fez a diferença na campanha do vice-campeonato do Santo André. Um atleta que tinha muita fome de fazer gols, chutava de fora da área, deixava os companheiros na cara do gol. O que fez o Bruno ser diferente é ter essa recomposição sem perder a agressividade. Isso fez diferença na vida dele tanto que chegou no Corinthians pronto. Hoje muito mais experiente e rodado, vai contribuir ainda mais do que quando trabalhou comigo”.

Lembranças do Santo André e contribuição para o crescimento

Sérgio Soares foi o treinador do Bruno César na época em que o jogador surgiu no cenário nacional. Atuando pelo Santo André, o meia levou o time até o vice-campeonato paulista de 2010. Na ocasião o título ficou com o Santos de Ganso, Robinho e Neymar, que tiveram que suar bastante para conseguir. Sérgio Soares relembrou a campanha.

“O Bruno surgiu conosco, no Campeonato Paulista de 2010, quando o Santo André chegou na final com o Santos. A gente tinha um grande time e o Bruno era um dos protagonistas. Ele teve um momento muito importante na competição ao lado dos seus companheiros de meio-campo. O falecido Gil (Chapecoense), Alê e o Branquinho”.

Bruno César na época era um meia de 22 anos, ainda em formação. No entanto Sérgio Soares afirmou que a sua contribuição na evolução do jogador foi apenas na questão de posicionamento e na confiança em fazer Bruno César acreditar no próprio potencial.

“A minha contribuição para o crescimento do Bruno foi apenas orientá-lo no posicionamento, dar confiança, mostrar para ele o tamanho do potencial que tinha, que poderia evoluir, chegar em grandes clubes e isso aconteceu. Essa foi a minha contribuição. Ele acreditou no próprio potencial. O Bruno tem qualidades e características importantes para um jogador de meio-campo. Ele sabe rodar a bola, tem um bom arremate de longa distância. Cobrava muito para que entrasse na área e ele fazia isso muito bem. Tinha uma boa recomposição. Essa foi a minha contribuição. Conversamos até hoje e isso me deixa muito feliz”.

Bola parada forte

Além de todo ganho técnico e tático, Bruno César pode contribuir com uma jogada que foi pouco aproveitada pelo Vasco nessa temporada, a tal bola parada. O time não fez sequer um gol de falta em 2018 e poucos nasceram de escanteios e faltas laterais. O meia pode ajudar nesse sentido, como afirmou Sérgio Soares.

“Bola parada é uma característica do Bruno, isso é algo dele. A gente contribuiu no sentido de cobrar o treinamento para que ele desequilibrasse nos jogos. Incentivamos ele para treinar, bater as faltas e também para chutar de fora da área. Mas esse diferencial é dele e vai ser muito útil para o Vasco”.

Ídolo da torcida

Ao lado de Leandro Castan e Maxi López, Bruno César será um dos pilares do Vasco, tanto no aspecto técnico, como na questão da cobrança. Afinal de contas o salário do meia vai ser um dos maiores do elenco. Os dois jogadores que já estão no clube, contam com o carinho do torcedor. Com a saída de Martin Silva, Maxi López possui status de estrela da companhia e ídolo do torcedor vascaíno. Sérgio Soares confia de que Bruno César possui potencial para também receber tal alcunha.

“Para dizer que o Bruno vai ser ídolo aí é querer adivinhar demais. O que eu posso dizer é que o Bruno será um jogador importante e o torcedor vai gostar. Ele é um atleta que tem o perfil de definição e o torcedor gosta de jogador assim. Além disso ele também serve bem os companheiros. Vai ter o Pikachu, o Maxi López, para ele colocar na cara do gol. Esses requisitos podem fazer com que o torcedor o abrace e quem sabe no futuro ele possa vir a ser um ídolo. O que eu posso dizer é que o torcedor vai ter um jogador que vai honrar a camisa com certeza”.

Planos para o futuro

Sérgio Soares terminou recentemente o curso para treinadores na CBF. Atualmente possui a licença PRO e está em busca de clube para trabalhar em 2019. De preferência uma grande equipe, como o Vasco.

“Meu último trabalho foi no Londrina. Terminei agora na Granja Comary o curso da CBF. Estou agora com a Licença PRO. Tenho algumas propostas do Brasil e outras para fora, mas prefiro e entendo que é melhor aguardar um pouco mais. Então 2019 aguardo alguma situação, estudar as possibilidades, sempre buscando um grande clube, como o Vasco. A gente vem trabalhando bastante em busca de oportunidades no eixo Rio-São Paulo. A gente está sempre preparado para essa situação e quem sabe ela chegue aí o quanto antes”.

Foto: Divulgação/SportingBruno César
Bruno César

Contratado

Você aprova a contratação de Bruno César?

Fonte: Esporte24Horas

Mercado

Não Confirmado

Você aprova a saída de Bruno Cosendey?

Especulações Mercado