Site relembra 10 contratações 'aleatórias' do Vasco

18/10/2020 às 17h21 - CLUBE

Ao longo da história, 77 estrangeiros tiveram o privilégio de vestir a camisa do Vasco. Grande destaque para os lendários Edgardo Andrada, Ramón Rafagnelli, Daniel González, Danilo Menezes e Adão Antônio, que são os únicos estrangeiros que se tornaram grandes ídolos da torcida.
 

Destaque também para Segundo Villdóniga, o maior artilheiro estrangeiro da equipe de São Januário. Atuou pelo Vasco de 1938 a 1942. ‘El Architeto’ se destacava pela habilidade em construir as jogadas. Além disso, foi considerado um dos grandes jogadores sul-americanos da sua geração. Com 83 gols marcados, é o 18º maior goleador da história do clube.

Os argentinos, só para exemplificar, são os estrangeiros mais frequentes no Vasco. Ao todo, 31 jogadores do país vizinho já atuaram pelo clube, seguidos de longe pelos uruguaios, que já desembarcaram em São Januário em 12 oportunidades. Com destaque para as passagens de Martín Silva, Pablo Guiñazu, Darío Conca e Germán Cano.
 

Agora, o Vasco tem mais um integrante para esta lista. O atacante Toko Filipe, de 21 anos, chegou ao clube através de um período de intercâmbio e foi aprovado após um período de observação no clube. Na última temporada, o angolano defendeu o Louletano, da terceira divisão de Portugal. Seu contrato com o cruzmaltino vai até de outubro de 2021.

Toko Filipe é apenas mais um ‘achado’ em meio as dificuldades financeiras do Vasco. Com o clube impedido de fazer contratações ‘galáticas’, a diretoria aposta no jogador para reforçar o elenco no Campeonato Brasileiro e na Copa Sul-Americana. Porém, o clube tem um histórico de fracassos em contratações ‘aleatórias’. Confira a lista elaborada pelo Torcedores.com!

Abubakar

País: Nigéria

Posição: Atacante

Período no Vasco: 2008

Jogos: 4

Gols: 0

Abubakar Bello-Osagie foi contratado por indicação do ex-jogador Bismarck, que comprou os direitos federativos do jogador, que o emprestou ao Vasco. O atacante, porém, não conseguiu espaço no time em um ano que ficou marcado pelo primeiro rebaixamento da história do clube no Campeonato Brasileiro.

Cláudio Salinas

País: Chile

Posição: Volante

Período no Vasco: 2006 a 2007

Jogos: 0

Gols: 0

Com passagens por clubes do Chile, Canadá e Suíça, o zagueiro foi contratado para ser o ‘Xerife’ em um período de vacas magras no Vasco. Considerado um ‘leão de treino’, como se diz na gíria do futebol, o chileno nunca disputou uma partida oficial pelo Vasco. Ele, inclusive, foi dispensado sem ser notado pela torcida após duas temporadas no clube.

Coby Jones

País: Estados Unidos

Posição: Lateral-esquerdo

Período no Vasco: 1995

Jogos: 4

Gols: 1

É considerada a contratação mais ‘aleatória’ da história do Vasco. Ele desembarcou em São Januário com o ‘status’ de destaque da Copa do Mundo de 94. Porém, o lateral-esquerdo reforçou o expressinho do Vasco na disputa da Copa Rio. Após passagem fracassada pelo Brasil, ele retornou para os Estados Unidos onde é ídolo do Los Angeles Galaxy.

Emiliano Dudar

País: Argentina

Posição: Zagueiro

Período no Vasco: 2006 a 2007

Jogos: 34

Gols: 0

Em 2005, o zagueiro foi o responsável por popularizar a contratação de jogadores através de DVD no Vasco. Após um período de treinos, o argentino contou com a aprovação do técnico Renato Portaluppi para permanecer em São Januário. O zagueiro, porém, não deixou saudades nos torcedores vascaínos.

Frank Lobos

País: Chile

Posição: Meia

Período no Vasco: 2006

Jogos: 0

Gols: 0

O jogador chegou ao clube com status de camisa 10. Mas a vida conturbada atrapalhou sua passagem por São Januário. Afinal, foi suspenso de qualquer atividade ligada ao futebol por dez anos após se envolver em um escândalo de suborno e manipulação de resultados no Chile. Lobos se aposentou um mês depois de assinar com o Vasco.

José Dominguez

País: Portugal

Posição: Atacante

Período no Vasco: 2005

Jogos: 10

Gols: 0

Foi a principal contratação do Vasco em 2005. Após empolgar a torcida nas primeiras partidas, o jogador ficou apenas seis meses em São Januário. Na época, o vice-presidente de futebol José Luis Moreira se disse decepcionado com o desempenho do craque português. Logo em seguida, o gringo anunciou o fim da sua carreira.

Leandro Chaparro

País: Argentina

Posição: Meia

Período no Vasco: 2011 a 2012

Jogos: 11

Gols: 0

Revelado pelo San Lorenzo, o meia chegou ao clube após se destacar nas seleções de base da Argentina. Fez apenas onze partidas oficiais pelo clube. Ele, inclusive, foi uma das apostas da gestão Roberto Dinamite. Porém, ele não empolgou e caiu em desgraça com a torcida. Posteriormente, o gringo foi dispensado no fim do contrato.

Milton Benítez

País: Paraguai

Posição: Meia

Período no Vasco: 2009

Jogos: 5

Gols: 0

Com passagem pelas divisões de base do Liverpool, da Inglaterra, o paraguaio foi contratado para reforçar o time na Série B do Campeonato Brasileiro em 2009. Porém, ele também teve passagem apagada pelo Vasco. Nesse ínterim, saiu do banco de reservas em cinco oportunidades. Mas pouco acrescentou ao time enquanto esteve em campo.

Pedro Vera

País: Volante

Posição: Meia

Período no Vasco: 2009

Jogos: 1

Gols: 0

Apresentado ao lado de Milton Benítez, o paraguaio entrou em campo somente uma vez pelo Vasco. Ele ‘reforçou’ o time B durante uma excursão do clube a Coréia do Sul. Apesar de ter ficado no banco de reservas em algumas partidas na Série B do Campeonato Brasileiro, Pedro Vera sequer foi utilizado pelo técnico Dorival Júnior.

Yoshimar Yotún

País: Peru

Posição: Lateral-esquerdo

Período no Vasco: 2013

Jogos: 31

Gols: 0

Em 2012, ele foi eleito o melhor lateral esquerdo das Américas pelo jornal uruguaio El País. No ano seguinte, o lateral a São Januário cercado de expectativa. Porém, Yotún ficou marcado pelas fracas atuações com a camisa vascaína. Além disso, foi um dos símbolos do clube no rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro – o segundo da história do Vasco.

Zelijko Tadic

País: Sérvio

Posição: Goleiro

Período no Vasco: 2004

Jogos: 7

Gols: 0

Foi contratado no ‘pacote’ que levou o craque Dejan Petkovic para São Januário. Afinal, o arqueiro era amigo e motorista do craque. Além disso, é lembrado pela torcida como um dos piores goleiros da história do Vasco. Sua passagem ficou marcada após falhar três vezes seguidas contra o Palmeiras pelo Campeonato Brasileiro. Na época, o presidente Eurico Miranda determinou sua substituição no intervalo. Mas Geninho recusou o pedido e manteve Tadic. No dia seguinte, o treinador pediu demissão do clube.

Fonte: Torcedores.com