Castán detalha momentos de drama na carreira e volta por cima no Vasco

25/02/2019 às 19h42 - CLUBE

Leandro Castán hoje é ídolo da torcida do Vasco e retomou a grande fase na carreira. Mas há cinco anos o zagueiro vivenciou um drama no qual o próprio relatou que chegou a sonhar com a morte. Ele descobriu um tumor na cabeça onde destacou que teve que passar por procedimento cirúrgico quando já tinha decidido parar de jogar futebol.
 

Em entrevista ao canal Pilhado, Castán detalhou seus momentos de drama ao descobrir um cavernoma de 3cm no cérebro. E tudo isso apareceu quando o zagueiro estava vivenciando seu auge com convocações e firmação na Roma.

“Estava no melhor momento da minha carreira. Convocação pra seleção, sempre que tinha convocação ficava de olho na TV. Tinha acabado de renovar meu contrato com a Roma, realmente estava no meu auge. De um dia pro outro eu virei um ex-jogador. Não poderia mais jogador futebol, tive uma tontura em que tive que ficar internado”, relatou.

“Senti muita tontura, uma tontura muito forte. Minha cabeça começava a girar como se eu estivesse numa montanha russa cada vez mais forte. Enquanto eu não vomitasse, eu não melhorava. Perdi 15kg nessa brincadeira, foi aí que começou a história de terror. Achei que eu ia morrer. Tanto que uma vez eu acordei desesperado, porque eu sonhei que estava dentro de um caixão entrando na minha cidade (Jaú, interior de São Paulo) no (caminhão) do corpo de bombeiros. Tava todo mundo aplaudindo. Foi um dos momentos mais difíceis da minha vida. Achei que não ia conseguir (superar). Mas Deus me deu uma família e muita força”, acrescentou.

Após sair de uma consulta médica, Leandro Castán já havia colocado um ponto final em sua carreira de jogador. Mas tudo mudou quando chegou em casa e recebeu a notícia de que seria pai pela terceira vez.

“O médico foi curto e grosso. Ele falou ‘Castán, pensa comigo: você tem um tumor na cabeça, é zagueiro. Zagueiro cabeceia. Cabeceio, tumor. Cabeceio, pancada. Você não pode mais jogar futebol. Ele falou desse jeito'”, relembrou.

“Falei ‘Beleza, estou indo embora’. Vou parar de jogar. Não queria mais jogar futebol, vou abrir minha cabeça? Nem a pau. Aí chego em casa e falo pra minha mulher ‘Oh, vou parar de jogar futebol. Disseram que vai ter que fazer cirurgia e eu não faço cirurgia’. Aí ela falou ‘Estou grávida’. Aí falei ‘Vou ter que fazer essa cirurgia’ (risos)”, brincou o zagueiro.

“Foi um susto, mas me deu forças isso também. Era minha filhinha, eu já tinha dois meninos. Aí veio a princesinha da casa, veio a vitória. Foi como se Deus falasse ‘Vai fazer (a cirurgia) que você tem muita coisa pra fazer ainda'”, concluiu.


CASTÁN E A VOLTA POR CIMA NO VASCO

“Hoje eu vejo que eu consegui. Superei mesmo, consegui ser o Castán que vai lá, guerreia, vai pro combate e vejo com muita alegria. Muitas pessoas falavam que eu não poderia mais jogar futebol. Ter voltado para o Brasil, o Vasco ter aberto as portas foi muito bom e acho que tem muita coisa ainda. Sou um sonhador. Perdi quatro anos da minha carreira com essa doença. Hoje eu tenho 32 anos e falo que tenho 28, porque tive quatro anos de pit-stop (risos)”, brinca.

“Espero chegar no meu alto nível ainda, porque acho que estou muito mais experiente. Quando erro um lance no campo eu não me abalo. Já passei por coisa muito pior. Sou um cara muito mais preparado para jogar futebol”, destaca.

Fonte: Torcedores.com