"A gente merecia mais respeito", diz nadadora paralímpica Camille Rodrigues

13/05/2020 às 20h33 - OUTROS ESPORTES

A nadadora paralímpica Camille Rodrigues, campeã nos 400m livre nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto 2015 e destaque na abertura do Fantástico, da TV Globo, lamentou a decisão do Vasco, que encerrou as atividades do esporte paralímpico no clube. Ao todo, segundo comunicado divulgado à imprensa, 128 alunos e atletas deixam a instituição.

A informação foi divulgada pelo departamento de paradesporto nas redes sociais e criticou a condução do presidente Alexandre Campello e do vice Francisco Vilanova no fim do projeto em meio à pandemia do novo coronavírus.

- Fomos pegas de surpresa pela diretoria pelo desligamento do desporto paralímpico dentro do Vasco. É muito difícil para nós, atletas paralímpicos, que já estamos tendo de sofrer várias mudanças em treinos, competições nacionais e internacionais ainda termos de lidar com essa notícia de muito choque - afirmou Camille, de 28 anos.

O principal ponto da reclamação do departamento paralímpico do Vasco é quanto à necessidade de encerrar as atividades mesmo gerando um baixo custos de manutenção. Segundo a nota, a folha salarial de comissão técnica da modalidade, incluindo técnicos, auxiliares e coordenação, era de R$ 17.800,00.

- Nós do desporto paralímpico, a gente por dez anos está trazendo cada vez mais resultados expressivos. Só eu defendi seis anos de recordista brasileira invicta, medalha parapan-americana, sendo três ouros e um bronze, de Toronto 2015, Paralimpíada do Rio 2016, várias conquistas do vôlei, várias conquistas do futebol de 7, sem falar da minha natação, da natação que a gente conquistou dentro do Vasco, que era a terceira potência do Brasil - complementou Camille.

A nadadora está em busca de vaga nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, que foram adiados deste ano para agosto de 2021. Apesar da frustração, Camille disse ser grata pelos anos que passou no clube.

- A gente fica muito triste, principalmente pelo jeito que foi nos dada a notícia. Eu acho que a gente merecia um pouco mais de respeito, principalmente pela história que a gente construiu dentro do clube. Mas mesmo assim fica meu agradecimento pelos seis anos que consegui conquistar muitas coisas dentro do clube. E agradeço também à equipe de torcida que sempre me passou muita positividade - comentou.

Procurado pela reportagem, a assessoria de imprensa do Vasco afirmou que "vários departamentos do clube estão em processo de readequação, não apenas o de esportes paralímpicos". O projeto específico custava R$ 1 milhão ao ano em gastos com competição, fardamento e encargos operacionais.

Fonte: GloboEsporte.com