A trajetória de Martín Silva no Vasco

19/12/2018 às 07h03 - FUTEBOL

Foram cinco temporadas e uma idolatria conquistada com pouquíssimas palavras e praticamente zero interação nas redes sociais, mas com bastante trabalho e muito respeito pelo Vasco em sua realidade atual difícil. Aos 35 anos, Martín Silva deixa o clube rumo ao Libertad (PAR) após desgaste, barração e vontade de respirar novos ares, mas como o atleta mais identificado com os vascaínos na era pós-Dedé e último jogador a representar o Cruzmaltino em Copas do Mundo, feito que, inclusive, gerou retorno financeiro para São Januário.

Já no Paraguai onde realiza exames médicos, o uruguaio abriu mão de mais um ano de contrato com o Vasco por mais três com o clube que conta com um presidente abonado financeiramente e que não mediu esforços para lhe fazer uma boa proposta também em termos salariais.

Saiu do Brasil calado e assim permaneceu quando pisou em Assunção (PAR) mesmo diante de dezenas de repórteres, mas não sem receber o carinho e o reconhecimento dos vascaínos na Internet, que ignoraram até mesmo o ano tecnicamente ruim do goleiro, que está definitivamente eternizado na seleta galeria de ídolos do clube no gigante painel instalado este ano em São Januário e que está "envelopando" a arquibancada do estádio.

O processo de saída

Se perguntassem para Martín Silva no ínicio de 2018 se tinha a intenção de deixar o Vasco, provavelmente ouviria como resposta que não. Identificado com o clube e com sua família completamente adaptada ao Rio de Janeiro - onde seus filhos pequenos foram criados e cresceram, tinha a intenção de, pelo menos, cumprir o contrato até o fim de 2019, não descartando a possibilidade de continuar posteriormente e até se aposentar em São Januário.

Após brilhar na primeira fase da Copa Libertadores classificando o Vasco para a fase de grupos, Martín Silva teve uma queda considerável de rendimento apesar de permanecer como titular.

Suas constantes convocações para a seleção do Uruguai somadas à pouca confiança passada pelos reservas Jordi e Gabriel Félix nas vezes em que foram acionados ligaram o alerta do clube sobre a necessidade de se contratar um substituto imediato. Foi quando surgiu a ideia de trazer Fernando Miguel.

Antes, porém, Martín foi disputar a Copa do Mundo da Rússia e, durante ela, ficou sabendo que seu preparador e amigo Fábio Tepedino, contratado ainda na gestão Eurico Miranda, havia sido demitido, algo que o incomodou bastante.

O incômodo aumentaria com a chegada do técnico Alberto Valentim, que valorizou o bom momento de Fernando Miguel e barrou o uruguaio pela primeira vez em sua história no Cruzmaltino.

No dia a dia, já se notava que a saída de Silva era uma possibilidade real.

Pediu para sair

A saída de Martín passou a ser costurada quando ele, através de seu representante Régis Marques, apresentou a proposta tentadora que havia recebido do Libertad e manifestou a vontade de deixar o Vasco.

Grato pelos serviços prestados e levando em consideração o pedido do goleiro, Alexandre Campello sinalizou positivamente com a liberação e passou a negociar a dívida de cerca de R$ 700 mil que tinha com o atleta. Foi quando chegou-se ao consenso do clube paraguaio pagar pouco mais do que este valor e, assim, abater o débito com o uruguaio.

"Em relação ao Martín é importante frisar que é um respeito ao ídolo. Atleta de 35 anos, grande ídolo do torcedor vascaíno, que recebeu uma proposta muito boa. Era vontade dele, nesse momento, aceitar a proposta. A negociação demorou um pouco porque tinha que ser bom para ele e para o Vasco, e acabou também sendo bom para o Vasco", explicou o diretor executivo Alexandre Faria.

Companheiros de posição o consideram um "espelho"

Companheiros mais próximos na rotina de treinos, jogos e viagens, os goleiros que trabalharam com Martín Silva são unânimes em considerá-lo um espelho como profissional e como pessoa, destacando sua frieza debaixo das traves e o lado família do uruguaio.

Jordi, que trabalhou com o arqueiro desde 2014, fez questão de procurá-lo na última segunda-feira, um dia antes dele embarcar ao Paraguai, para agradecer por todos os ensinamentos que recebeu.

"Foram cinco anos juntos com o Martin. Um ambiente de trabalho excelente. Sempre com muito respeito. Formamos uma família. Aprendi muito com ele em relação a postura fora de campo. Dentro de campo, sempre recebi muitos conselhos para manter a frieza nas tomadas de decisões que as partidas exigem de um goleiro", disse Jordi ao UOL Esporte, complementando:

"Martin, além de um grande goleiro, é uma pessoa fantástica. Respeita e valoriza muito a família. É um profissional para se espelhar".

Renegociou dívidas duas vezes e recusou propostas

A prova de que Martín Silva tem gratidão e identificação com o Vasco está em suas atitudes no momento em que aceitou renegociar as dívidas do Cruzmaltino com ele. Foram duas vezes, em valores que foram diluídos ao longo dos salários, que por conta disso acabaram se tornando um dos mais altos do elenco.

Em seu auge no Vasco, recebeu duas propostas tentadoras: uma do São Paulo e outra do Boca Juniors-ARG (com valores ainda mais atraentes). Mesmo balançado, decidiu ficar, contrariando a lógica da grande maioria de seus companheiros de São Januário que foram alvos de ofertas neste mesmo período.

"Homem de gelo" se emocionou com homenagem à sua filha

Logo nos primeiros meses de Martín Silva no Vasco, em 2014, o goleiro passou por um delicado problema familiar, quando sua filha Pilar teve complicações no nascimento. A torcida do Vasco "comprou o barulho" do arqueiro e passou a fazer homenagens à pequena, que teve seu nome gritado num clássico com o Fluminense no Maracanã que quase fez o "homem de gelo" ir às lágrimas.

Silva costuma dizer que é eternamente grato aos vascaínos por este gesto e também com a sensibilidade da diretoria - administrada na ocasião por Roberto Dinamite - que o liberou algumas vezes para o Uruguai para que ele acompanhasse de perto o tratamento de Pilar, que hoje em dia está completamente saudável.

Avesso a entrevistas, e rede social discreta

O estilo caladão que já adotava no Olímpia (PAR) permaneceu no Vasco. As entrevistas coletivas eram raras e as exclusivas, então, nem pensar. O goleiro, aliás, nunca acompanhou nada que saiu sobre ele na imprensa.

Martín Silva até possui Instagram e Twitter, mas as redes sociais são completamente discretas, diferentemente de sua esposa Paola Vásquez, que costuma interagir e até discutir algumas vezes com internautas.

Para se ter uma ideia, a última postagem do goleiro no Instagram foi no dia 13 de maio de 2018.

Produtos de marketing e cerca de R$ 3 mi de retorno "direto"

Somente por ter participado das edições de 2014 e 2018 da Copa do Mundo, Martín Silva gerou pouco mais de R$ 2 milhões do mecanismo de solidariedade da Fifa. Na transferência para o Libertad, o Vasco também receberá pouco mais de R$ 700 mil.

Fora isso, o uruguaio foi alvo de ações de marketing, como camisas personalizadas de goleiro com as cores de seu país e autógrafo além de copos temáticos que eram vendidos em São Januário.

Fonte: UOL Esporte