Andrés Ríos é carrasco do Botafogo de longa data

06/04/2018 às 08h02 - FUTEBOL

O gol aos 48 minutos do segundo tempo na primeira partida da final do Campeonato Carioca não foi a primeira "punhalada nas costas" que Andrés Rios deu no Botafogo. Pouco mais de dez anos antes, o atacante do Vasco já fazia os alvinegros sofrerem.

Recém-profissionalizado pelo River Plate (ARG), o jogador era do elenco argentino que eliminou o clube carioca da Copa Sul-Americana de 2007, numa vitória por 4 a 2 em Buenos Aires (ARG), tendo feito o terceiro gol da partida.

Mais "artilheiro" agora, Andrés Rios acredita que o importante é encontrar o equilíbrio entre a função de "matador" e "garçom". "Na hora certa tem de chutar. Na hora certa tem de procurar o companheiro melhor posicionado. Encontrar o equilíbrio e decidir com inteligência. Assim o Vasco que se beneficia", declarou.

No River Plate ele permaneceu até 2012. Em seguida, foi para o Deportivo Cuenca (EQU), América (MEX), Leones Negros (MEX) e voltou para a Argentina em 2016. No ano seguinte, ele seria carrasco de outro clube brasileiro, o São Paulo, eliminado pelo modesto clube argentino na primeira fase da Copa Sul-Americana - Rios passou em branco, mas fez parte de um dos maiores vexames da história do clube tricolor. 

Quase parou no Botafogo

Andrés Rios acabou sendo pivô de uma "resposta" do Vasco no mercado da bola ao Botafogo. Em julho do ano passado, o Cruzmaltino negociava com o meia chileno Léo Valência quando o rival entrou na jogada e levou o jogador ex-Palestino (CHI). Em outra frente, o Alvinegro se adiantou nas conversas com o atacante argentino, mas o Cruzmaltino deu um "chapéu" e acabou fechando com o ex-Defensa y Justicia.

Comemoração polêmica

No gol salvador de domingo passado, Andrés Rios comemorou de uma forma polêmica, segurando seus órgãos genitais. A cena gerou críticas, mas o atacante se defendeu garantindo que não queria ofender ninguém e que o gesto é comum na Argentina.

"Foi por causa da raça, dos colhões, como falamos na Argentina. Lá é uma coisa muito normal, não tem nada de provocação ao Botafogo. Me disseram [que Loco Abreu já tinha comemorado assim contra o Vasco]. Às vezes acontece do outro lado", declarou.

Fonte: UOL Esporte

Enquete

Qual a culpa dos problemas políticos do Vasco na campanha do clube no Brasileiro?

Deixe seu comentario