Carlos Brazil revela preocupação com base dos times brasileiros

15/05/2020 às 08h14 - CATEGORIAS DE BASE

Se a data de retorno do futebol profissional no Brasil ainda é incerta, a pandemia do novo coronavírus tem provocado danos silenciosos e ainda mais profundos nas categorias de base, que ameaçam não retornar às atividades em 2020. Embora representem uma parcela pequena do orçamento das equipes da Série A — na média até 5% — , os primeiros cortes realizados pelos clubes atingiram exatamente este setor mais frágil.

Flamengo, Sport e Vasco são exemplos de equipes que demitiram profissionais das categorias inferiores. O Corinthians reduziu 70% dos salários de seus funcionários. Já o Internacional acabou com o seu time de aspirantes ainda antes da paralisação. O principal motivo para o corte é justamente a falta de perspectiva de retorno do calendário e a dificuldade de se imprimir um protocolo de saúde e segurança como está previsto para os times principais.

Em alguns casos, aproveitou-se a realidade econômica menos animadora para enxugar o excesso de profissionais em determinadas funções, como no Flamengo. Segundo fontes ouvidas pelo GLOBO, há chance de se manterem para este ano apenas os torneios sub-20, conforme indicou a Federação Paulista de Futebol. A CBF suspendeu competições sub-17 e sub-20 em andamento, e ainda não sinalizou quando elas retornam. Os clubes receberam da entidade a indicação de que os jogos, se voltarem, podem até entrar por 2021.

Ainda:

O que precisa acontecer para jogos voltarem a ser disputados?

A Federação de Futebol do Rio também suspendeu os torneios da base que estavam previstos. O recado da Ferj é que as competições serão realocadas no tempo que restar do ano, ainda que em outros formatos. O mesmo ocorreu em outros estados, como Pernambuco.

Mais exigências

O drama invisível é que não é possível a base retornar com o protocolo do profissional, pois a quantidade de pessoas envolvidas é muito maior. Ainda há o agravante do alojamento dos jogadores e da necessidade de os garotos estudarem enquanto treinam, condição para a certificação da CBF como clube formador.

Executivo do Internacional, Rodrigo Caetano enumera as dificuldades ainda sem solução:

— Entre as exigências, uma delas é que os atletas alojados têm que estar matriculados. Se as escolas voltam e o futebol não, onde o menino vai morar? Fora esse protocolo de aglomeração nos alojamentos, refeitórios, mais trabalhoso e custoso do que no profissional. Mais atletas, mais rotatividade de pessoas.

Mesmo assim, entrou em cena o Movimento dos Clubes Formadores do Futebol Brasileiro (MCFFB), com um apelo para a retomada das competições, sob o risco de demissões em massa na categoria de base. Um comunicado divulgado ontem reforçou a preocupação.

— Ninguém pode prever o que vai acontecer nos próximos dias e meses. É importante que todos os dirigentes tenham entendimento que qualquer minuto de treino e jogo na base faz enorme diferença na formação dos atletas — reforçou Carlos Brazil, diretor do MCFFB.

Brazil acredita que a base vai ser a solução na crise:

— Acredito que as equipes profissionais terão necessidade de contar com a base, independente de problemas financeiros. Haverá, certamente, um acúmulo de jogos para que seja cumprido o calendário.

Para Rodrigo Caetano, isso acontecerá ano que vem, quando a conta chegar:

— Quando chegar em dezembro, os clubes devem avaliar o déficit e usar mais jovens do que contratar.

Enquanto isso não acontece, o Vasco, clube que tem a base gerenciada por Carlos Brazil e demitiu apenas três profissionais, mantém atletas de sete aos 20 anos em atividade constante, com contatos diretos de toda comissão técnica. O mesmo acontece em outros clubes da Série A. Há consenso entre eles que a base não deverá voltar às atividades junto com o profissional, mas isso dependerá da decisão de cada clube. Entretanto, a ideia é que isso só aconteça quando não houver tanta necessidade de investimentos, o que deve comprometer a formação de jogadores.

— Base é investimento, e seu recurso humano, se houver perda, pode haver dificuldade de reposição com a mesma qualidade nofuturo — alerta Brazil.

Fonte: Agência O Globo