Casaca! lança nota sobre o ano de 2020/2021 do Vasco

04/01/2020 às 19h44 - CLUBE

Seguindo o trabalho que o Casaca! realiza há 19 anos, 9 meses e 10 dias, estaremos juntos não só para a comemoração dos 20 anos desta marca histórica e inquebrantável – que é exemplo de como agir, conforme preceitos previamente estipulados, na prática, dentro do clube – como, também, nas eleições de 2020, seguindo os moldes já estipulados pelo nosso grupo em fevereiro do ano passado.

O histórico do Casaca! se fez tomando atitudes fortes, bem definidas, sem curvas que o oportunismo pudesse oferecer.

Hoje, como já dissemos há pouco tempo em nossas reuniões e eventos, temos público para montar uma chapa, segundo os preceitos estatutários para isso, caso nos fosse de interesse fazê-lo e isso só vem a demonstrar o crescimento ocorrido de uma ideia, que surgiu em março de 2000 e se desenvolveu a ponto de este grupo chegar próximo aos 20 anos, maduro e solidificado.

Em recente campanha para a aquisição de novos sócios estatutários, adentraram no quadro social mais de 130 pessoas vinculadas a nós, que ouviram nosso chamamento para se associarem e contam conosco e nossas indicações para o próximo pleito do clube, a se realizar em novembro deste ano.

Nossa posição política, já externada em outras ocasiões, é de oposição à gestão, determinada desde o início do mês de maio de 2018, quando vimos sua estratégia de tentar se limpar, sujando a anterior, até porque participamos daquela e aquilo era uma afronta a todos nós.

Dali por diante nossa posição foi clara, sem senões, sem curvas, resiliente.

Em todas as oportunidades em que foi votado no Conselho Deliberativo a abertura de uma comissão de sindicância para investigar denúncias inerentes à gestão do atual presidente, ou suspensão do próprio, em virtude de males causado ao clube, votamos, sem exceção, a favor disso.

Respeitamos todas as posições políticas tomadas por vascaínos históricos no clube, com décadas de serviços prestados, quanto ao caminho que quiseram percorrer, entendendo, também, que a própria política do clube e situações inerentes à ela leva a escolhas.

Há um respeito mútuo entre o Casaca! e tais pessoas, que respeitam nossa posição, concordando ou não, enquanto nós respeitamos a posição de outros, dentro do espírito democrático.

O momento no clube é de união, mas união de propósitos.

O ideal seria que o Vasco tivesse um candidato único, entre os que pretendem gerir o clube, a partir de 2021, sucedendo o atual presidente Alexandre Campello, claramente inapto para o cargo, por mais que se tente soprar o barquinho de papel de sua gestão, bem como dos envolvidos em planilhas, conversa fiada, enquanto funcionários do clube passam fome, necessidades (há 15 meses o Vasco se mantém com salários atrasados) e se viram escanteados fosse no plano prático do dia a dia, ou na prática desenvolvida pelo Vasco no que tange a acordos judiciais e extrajudiciais, com prejuízos visíveis até a execução contra o clube.

São mais de 200 execuções sofridas pelo Vasco, a esmagadora maioria delas proveniente de pagamentos não realizados por essa gestão. Basta fazer um comparativo com a antecessora e o que ela sofreu de execuções, por conta dela própria (não pagamento daquele presente ou do que fora deixado para pagar pela administração anterior), e isso depois de uma gestão protagonizada pelo MUV, responsável por mais que dobrar a dívida do clube em seis anos e cinco meses no poder.

Temos nosso candidato para o próximo pleito, entendemos que ele agrega, conhece o clube, unifica e tem propósitos para o Vasco de crescimento institucional, esportivo, patrimonial e visa, ainda, um equacionamento financeiro que não fere as outras três metas.

Esperamos que 2020 seja um ano de transição para o Vasco, com manutenção do quantitativo exemplar visto hoje de sócios torcedores, importante para a instituição e não para gestão A ou B, afinal isso veio de um movimento apaixonado, descentralizado e exemplar dos vascaínos, acima de qualquer coisa.

O associado do clube busca paz e união e, por ela, o candidato mais preparado para gerir o clube deve vencer o pleito deste ano. Nós e a maioria esmagadora dos torcedores vascaínos pensamos da mesma forma, portanto, convergimos.

Que o Vasco tenha um grande ano, que a reforma estatutária seja aprovada em janeiro, que em março tenhamos a grande celebração do Casaca! por suas duas décadas de existência, que se conflua para o melhor nome ser, de fato, o vencedor do pleito em novembro próximo, que a obra da torcida (CT do Vasco) progrida e se inaugure completa, que as vitórias e conquistas esportivas permeiem o nosso clube e que daqui a um ano possamos escrever com a certeza de que novos tempos, na prática, viverá o clube, a partir da entrada de um gestor e de uma equipe com ele, competentes para tal e com lastro para isso.

CASACA segue firme e forte!

Fonte: Casaca!