Castán vibra por fazer gol após 7 anos: "Vai ficar marcado"

25/07/2019 às 08h00 - CLUBE

"Tenho duas etapas como jogador e esse foi meu primeiro gol após o que ocorreu." A frase de Leandro Castán retrata muito bem a importância do último dia 20 de julho de 2019 em sua vida. Depois de quase abandonar a carreira, em 2014, devido a um tumor na cabeça, o zagueiro ressurgiu no futebol, venceu a desconfiança e hoje comemora um momento marcante com a camisa do Vasco.
 

Acompanhe a entrevista no Globo Esporte desta quinta-feira.


Autor do primeiro da vitória por 2 a 1 diante do Fluminense, no último sábado, Leandro Castán recebeu o carinho dos familiares e revelou uma mensagem ainda no vestiário.

- Meu filho mais velho (Gabriel, de nove anos) mandou uma mensagem no celular, ele mesmo escreveu e fiquei muito emocionado. Cheguei no vestiário e vi aquilo. Ele disse que quase chorou de emoção. Foi bom saber que também foi importante para ele e o estou enchendo de orgulho.

E te deu vontade de chorar?

- Deu, mas não cheguei a chorar. Me segurei ali no vestiário. Imagina os caras me vendo chorar, não ia pegar bem (risos).
 

Depois de passar o restante do sábado com a família na casa do companheiro Fellipe Bastos, Castán disse que perdeu as contas de quantas vezes viu o gol de empate antes de dormir. Questionado se teria sido umas 100 vezes, ele brincou:

- Será (risos). Acho que não. No começo achei que tivesse feito um golaço, mas começou a ficar normal. Minha média de gol está melhor que muito atacante (risos).

Confira outros tópicos da entrevista:

Você lembra do lance?

- Lembro que... Um escanteio antes, o Henrique me olha e diz: "Você vai fazer um gol", mas a bola nem passou perto de mim. No outro lance, ele falou a mesma coisa. A bola acabou sobrando na área e foi uma grande emoção. Não tenho palavras, pois fazia muito tempo sem fazer um gol, esse tempo fora, por tudo que passes nos últimos anos. Não consigo dizer o que eu senti. Não esperava que seria dessa forma, a equipe atrás, em um clássico... Tantas coisas envolvidas. Uma emoção única.
 

Emoção depois de tudo que aconteceu...
- Não poderia mais jogar futebol. Os médicos me falavam que cuidariam primeiramente da minha saúde como homem. Eu tinha alguns riscos, mas tudo sob controle. Se eu jogasse futebol, não teria mais controle. Era um tumor benigno, que desinchou. Poderia viver pelo resto da minha vida, mas não poderia mais jogar futebol. Cheguei a aceitar durante um período, mas depois fiz a cirurgia. Abriram meu crânio, foram quase cinco horas de cirurgia... Renasci para a vida e estou muito feliz por esse momento.

Como foi sua recuperação?
- Não sou médico, mas quando mexe com a cabeça interfere na movimentação e tive que reaprender. Quando acordei na UTI, eu sentia tudo, mas não me movimentava. Foi muito difícil. De manhã estava tudo bem, mas à noite passava mal.

Não teve tanta oportunidade na Roma depois que voltou
- Eles me viram sofrer muito. Senti que eles tinham medo de me colocar para jogar, me preservavam muito e não me deixaram ter sequência. Acabei que joguei só seis jogos na Roma. Depois fui emprestado ao Cagliari-ITA, e surgiu o Vasco.

Como foi que surgiu o Vasco e a importância do clube na sua carreira?
- O Vasco foi muito importante. Nunca imaginei em jogar no Vasco, pensando há dois anos atrás. A primeira pessoa que me chamou foi o Maxi López, depois conversei com o Ramon, a diretoria... Quando saiu minha liberação da Roma, o Vasco veio forte e deu certo. Isso tudo mostra que fiz a escolha certa.

Hoje é quase unanimidade entre os torcedores. Sente isso?
- É um carinho. Apesar de tudo, eles reconhecem que dou meu máximo em campo. Isso para mim é a maior gratificação. Quando estou na rua, eles me abraçam e me sinto querido.

Como capitão, como vê a chegada do Luxemburgo?
O Vanderlei é o principal responsável por essa mudança no campeonato. Quando o Valentim saiu, o time ficou sem horizonte. Quando o Vanderlei chegou mudou tudo. Eu posso ver dentro de campo a confiança que os meus companheiros têm. Ele é o capitão do nosso time, que bate de frente para resolver os problemas do Vasco. Sou muito feliz em trabalhar com ele, pela história que tem.

Fonte: Globoesporte.com