Clássico de portões fechados tem prejuízo de R$ 235 mil

17/03/2020 às 15h36 - CLUBE

A decisão de realizar a terceira rodada da Taça Rio com portões fechados, devido á pandemia do coronavírus, deixou alguns clubes no prejuízo. Entre eles Vasco e Fluminense, que disputaram um clássico sem torcida no último domingo no Maracanã. De acordo com o borderô da partida divulgado pela Ferj, o custo do jogo foi de R$ 235.589,42, e como não teve bilheteria o valor virou saldo negativo.

Na teoria, prejuízo dividido igualmente entre os dois clubes como previsto no regulamento para os clássicos, assim como em caso de lucro. Porém, o borderô da partida mostra que o Fluminense arcou com R$ 207.966,28 das despesas, isto é, 88% do valor. Ou seja, 76% a mais do que os R$ 27.623,14 (12%) que ficaram para o Vasco pagar. Mas por quê?

O GloboEsporte.com apurou que o motivo foi a manutenção do clássico no Maracanã. Após a decisão da Ferj de realizar a rodada com portões fechados no fim da tarde de sexta-feira, o Vasco, mandante do confronto, quis levar o jogo para São Januário. Pego de surpresa com a posição, o Fluminense se comprometeu a assumir a maior parte das despesas para a partida ser mantida para o estádio.

Se fora de campo o Fluminense levou a maior parte do prejuízo, dentro das quatro linhas o Tricolor saiu no lucro. O time de Odair Hellmann venceu por 2 a 0, encerrou um jejum de 10 jogos contra o Vasco, manteve a melhor campanha do Carioca e colocou um pé na semifinal da Taça Rio.

Sequência de prejuízos

O saldo negativo de R$ 207.966,28 foi pelo menos o sétimo prejuízo do Fluminense em 10 jogos no Maracanã em 2020, sendo o quinto maior atrás dos R$ 401.340,73 contra o Madureira, dos R$ 353.460,09 diante da Portuguesa, dos R$ 352.525,31 frente ao Boavista e dos R$ 351.850,40 da partida com o Resende.

O resultado financeiro do jogo contra o Unión La Calera, pela Copa Sul-Americana, que teve um público pagante de 16.528, não foi divulgado pela Conmebol. Os únicos lucros de bilheteria no estádio aconteceram nos dois clássicos com o Flamengo pela Taça Guanabara: R$ 31.456,05 na fase de grupos e R$ 367.756,22 na semifinal do turno.

Apesar dos seguidos prejuízos no estádio, a diretoria tricolor entende que o Maracanã compensa de outras formas, como por exemplo atratividade para o programa de sócio-torcedor. Além disso, as receitas dos bares e camarotes são consideradas importantes e não aparecem nos borderôs.

Fonte: GloboEsporte.com