Futebol

Confira os principais pontos do novo edital do Maracanã

Depois de muita espera, o Governo do Estado do Rio de Janeiro divulgou, nesta quinta (28), o edital de licitação do estádio do Maracanã para os próximos 20 anos. O documento, a princípio, não trouxe pontos que surpreenderam os interessados que já são conhecidos: a dupla Flamengo e Fluminense, que disputará junta o direito de seguir gerindo o estádio, e o Vasco, que também tem interesse no complexo desportivo.

A licitação, que ocorrerá em 27 de outubro, também dá ao vencedor o direito de gerir o Ginásio Gilberto Cardoso, conhecido como Maracanãzinho. Pontos como o número mínimo de datas estipuladas pelo vencedor, de 70 jogos e 12 eventos adicionais, foram mantidos.

O edital seguiu o que foi discutido nas audiências públicas, que tiveram a participação de representantes dos quatro grandes clubes do Rio de Janeiro, incluindo até o Botafogo, que hoje detém a concessão do Estádio Nilton Santos pela Prefeitura do Rio.

Ainda assim, alguns pontos polêmicos para Fla e Flu foram mantidos, como o tópico 3.2.5.1 do Anexo I do Termo de Referência. Em tese, essa parte do texto beneficia pleitos atuais do Vasco, que tem tido embates com os rivais para utilizar o estádio.

"3.2.5.1 – Fica vedado ao futuro concessionário do Complexo, o favorecimento a uma ou mais agremiações, clubes, associação ou confederação desportiva, por meio de oferta de utilização exclusiva do Complexo, em especial do Estádio Jornalista Mário Filho – Maracanã, assim como a imposição de tratamento comercial injustificadamente distinto ou discriminatório, que represente ônus excessivo e ou a prática de atos que resultem em vedação de acesso à utilização do Complexo às agremiações, clubes, associação ou Confederação."

Outro ponto do documento, o 3.2.5.3, versa sobre a taxa de aluguel do estádio, outra reclamação do Cruz-Maltino. O texto fala em "preço certo" e busca a isonomia entre concessionários e possíveis locatários.

3.2.5.3 - O futuro concessionário deverá estabelecer anualmente, para jogos oficiais de futebol, um preço certo e determinado para o aluguel do campo e custos operacionais do Quadro Móvel do Estádio Jornalista Mário Filho (Maracanã), valor esse que deverá ser cobrado de forma isonômica de qualquer um dos clubes de futebol do Estado do Rio de Janeiro com data oficial nas principais competições de futebol (campeonatos brasileiros série “A” e “B”, Copa do Brasil, Copa Libertadores, Copa Sul Americana, ou qualquer outro torneio dessa natureza e envergadura que venha a ser realizado ao longo do prazo de concessão).

Por fim, outra notícia recebida positivamente pelo Vasco é o tópico 3.2.6, que dá conta de uma "gestão não discriminatória em relação aos principais clubes do Rio", o que é visto, futuramente, como uma garantia da utilização do estádio mesmo que Flamengo e Fluminense vençam a licitação.

"3.2.6 - Tendo em vista a vocação do Estádio do Maracanã como Templo Mundial do Futebol e o fato de constituir patrimônio esportivo e cultural de todas a sociedade brasileira, a futura Concessionária deverá gerir o Complexo de forma não discriminatória em relação aos Principais clubes do Rio de Janeiro e suas respectivas torcidas".

Por outro lado, o mesmo ponto dos valor dos aluguéis segue em dúvida com o 3.2.5.2, que permite, em tese, a prática de "valores distintos para as diversas agremiações, clubes, associações ou confederações desportivas, segundo políticas comerciais transparentes". A única vedação é "que não resultem em ônus excessivo capaz de inviabilizar a utilização do Complexo". Para o jogo contra o Cruzeiro, o Vasco levou à Justiça a polêmica sobre o valor, mas por fim, pagou o que foi pedido pela dupla Fla-Flu.

3.2.5.2 – Ressalva-se que a mera prática de valores distintos para as diversas agremiações, clubes, associações ou confederações desportivas, segundo políticas comerciais transparentes, consistentes com a especificidade de cada cliente, e consentâneas com as práticas de mercado não constituirão, por si sós, as condutas ora vedadas, desde que não resultem em ônus excessivo capaz de inviabilizar a utilização do Complexo por quaisquer agremiações, clubes, associação ou confederação desportiva.

A proposta vencedora, de acordo com o texto, é a que melhor atender o somatório de melhor proposta técnica e financeira. A outorga fixa anual é de no mínimo R$ 5.032.175,00, totalizando R$ 100.643.500,00 ao longo dos 20 anos. O documento ressalta, entretanto, que tal valor será corrigido, naturalmente, pelo IPCA ou outro índice que vier a substituí-lo.

Vasco pode disputar Maracanã contra dupla Fla-Flu?

Uma parte do texto deixa em dúvida se o Vasco poderia participar da licitação. Isso porque, no artigo "Qualificação Técnica", a especificidade do participante exige "experiência em gestão da operação e manutenção, de Estádio de futebol com capacidade mínima de 30.000 (trinta mil) lugares, por no mínimo 3 (três) anos". A capacidade atual de São Januário, entretanto, é de 22 mil pessoas.

Procurados pela reportagem, a Secretaria Estadual de Casa Civil, entretanto, entende que, pela casa do clube já ter aceitado públicos maiores no passado, essa expertise foi comprovada.

"São Januário já teve público superior a 30 mil lugares e essa comprovação já é suficiente para garantir o cumprimento desse requisito. Todos os quatro grandes clubes do Rio preencheem o requisito. Essa questão inclusive foi objeto de questionamento do Vasco em audiencia pública e foi devidamente respondida nesse sentido", informou, por meio de nota oficial enviada a O GLOBO.

O vice-presidente geral do Vasco, Carlos Roberto Osório, afirmou que esse artigo não preocupa o clube.

"Tratamos desse tema no processo de Audiência Publica da licitação do Maracanã. A capacidade original de São Januário é de 40.000 espectadores. No momento, pelos bombeiros, o estádio está autorizado para receber 24.000 torcedores. O Vasco da Gama fez essa indagação no processo de audiência pública e o estado informou que o Vasco teria seu estádio considerado pela capacidade de público original ao longo dos anos. Essa cláusula tem o objetivo de garantir que o futuro operador tenha experiência na gestão, manutenção e operação de estádio para grandes jogos de futebol. Isso nós temos de sobra! O Estádio de São Januário foi o maior estádio do Brasil até 1944, quando foi inaugurado o Pacaembu, e o maior Rio até 1950, com a construção do Maracanã. Vasco da Gama tem experiência de organizar grandes eventos de futebol há 95 anos, enquanto o edital de licitação exige apenas 3 anos. O Complexo de São Januário é multi-uso, tem estádio, ginásio e parque aquático. Além disso, o Vasco pode participar da licitação em consórcio. Estamos analisando o edital, mas esse tema não nos preocupa."

O documento ainda passa por avaliação de Flamengo e Fluminense, que por enquanto, não pretendem se posicionar. O GLOBO apurou que, no entendimento da dupla, o Vasco só poderia participar aliado a uma empresa, e ainda assim, dificilmente alcançaria o mínimo de jogos e eventos do complexo desportivo. Não há, nesse momento, nenhuma chance de união entre os três clubes.

Fonte: O Globo
  • Sábado, 13/08/2022 às 11h00
    Vasco Vasco 3
    Tombense Tombense 1
    Campeonato Brasileiro - Série B São Januário
  • Quinta-feira, 18/08/2022 às 20h00
    Vasco Vasco
    CSA CSA
    Campeonato Brasileiro - Série B Rei Pelé
  • Domingo, 28/08/2022 às 16h00
    Vasco Vasco
    Bahia Bahia
    Campeonato Brasileiro - Série B Fonte Nova
  • Quarta-feira, 31/08/2022 às 19h00
    Vasco Vasco
    Guarani Guarani
    Campeonato Brasileiro - Série B São Januário
  • Sábado, 03/09/2022 às 16h30
    Vasco Vasco
    Brusque Brusque
    Campeonato Brasileiro - Série B Augusto Bauer
  • Domingo, 11/09/2022 às 16h00
    Vasco Vasco
    Grêmio Grêmio
    Campeonato Brasileiro - Série B Arena do Grêmio
  • Sexta-feira, 16/09/2022 às 19h00
    Vasco Vasco
    Náutico Náutico
    Campeonato Brasileiro - Série B São Januário