Direitos de arena: Presidente da Saferj se reúne com o governo em Brasília

09/09/2020 às 14h22 - FUTEBOL

Presidente do Sindicato dos Atletas de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Saferj), Alfredo Sampaio se reuniu na manhã desta quarta-feira, em Brasília, com representes do Governo. Em pauta, estava o trecho da MP 984/2020, a chamada "MP do Futebol", que determina o novo repasse dos direitos de arena aos jogadores.

Em nome do Governo, participaram do encontro Marcelo Magalhães, Secretário Especial do Esporte, e Ronaldo Lima, Secretário Nacional de Futebol. A reunião realizada na sede do Ministério da Cidadania durou cerca de 1h20.
 

Nela, Alfredo expôs os problemas causados no Campeonato Carioca pelo trecho da MP que dá aos clubes mandantes dos jogos a responsabilidade do repasse dos direitos de arena, função que pertencia aos sindicatos desde a publicação da Lei Pelé, em 1999. Das seis partidas com transmissão independente no estadual do Rio de Janeiro, apenas Flamengo 2 x 0 Volta Redonda contou com o pagamento do arena - ainda assim, os jogadores do Voltaço pretendem questionar na Justiça o cálculo feito pelo Flamengo.

Vasco e Fluminense, mandantes dos outros jogos, por sua vez, ainda estudam o caso para entender de que forma isso será feito.

- A reunião foi boa porque tive a oportunidade de desconstruir alguma coisas. O Governo entendia a situação do nosso sindicato de forma equivocada. E com razão, porque tem sindicalista que só enche o saco, então existem vários problemas nessa linha. Mas nós não somos sindicalistas. O Sindicato dos Atletas por um acaso se chama Sindicato porque quem representa os atletas são os sindicatos, mas nós temos uma linha muito mais esportiva, não temos essa linha sindicalista. Nós fazemos a defesa dos atletas, não somos uma entidade política, não somos contra ou a favor de nenhum governo. O primeiro ponto foi esse, e acho que eles puderam ver a situação com outros olhos - explicou Alfredo Sampaio.

O movimento contra o novo repasse nasceu no Rio de Janeiro principalmente porque o Campeonato Carioca foi o primeiro estadual a ser retomado depois da publicação da MP, e foi o Saferj, por exemplo, quem deu início ao abaixo-assinado dos atletas pedindo para que o trecho fosse revisto. Mas, na reunião, Alfredo diz que mostrou exemplos do apoio de outros sindicatos e de atletas de outros estados, como vem publicando nas últimas semanas em suas redes sociais.
 

- Nós explicamos toda a necessidade de o arena ser seguro para chegar aos nossos atletas, de não poder ter nenhuma movimentação que não seja segura. Os atletas estão recebendo há 20 anos, e esse dinheiro acaba cobrindo a inadimplência dos clubes, que muitas vezes trabalham com dois, três até quatro meses de atrasos salariais. Nós mostramos que não somos contra a MP no tocante à questão das transmissões, não cabe à gente falar sobre isso - explicou Alfredo, que acrescentou:

- Vamos tentar fazer com que chegue ao presidene Bolsonaro a importância de o pagamento seguir sendo realizado por meio dos sindicatos, porque isso dá segurança. É um desejo deles também, dos atletas, de continuar recebendo pelos sindicatos.

Embora entre em vigor com peso de lei por se tratar de uma Medida Provisória, a MP ainda precisa ser votada na Câmara dos Deputados. Recentemente, Rodrigo Maia, presidente da Câmara, prorrogou a validade da MP por mais 60 dias (até o dia 14 de outubro, portanto). Mas ainda não há previsão para votação.

De acordo com o Alfredo, que saiu confiante da reunião, tanto Marcelo Magalhães quanto Ronaldo Lima deram feedback positivo e ficaram de repassar suas impressões a Jair Bolsonaro para que uma nova reunião fosse agendada, dessa vez com a presença do presidente. O ge procurou a assessoria da Secretaria Especial do Esporte para saber a posição do Governo sobre o encontro, mas não houve resposta.

 

Foto: Arquivo PessoalAlfredo Sampaio, presidente do Saferj, se reúne com representantes do Governo
Alfredo Sampaio, presidente do Saferj, se reúne com representantes do Governo

Fonte: ge