Dono da Lasa "some" no mesmo período em que efetuaria pagamento ao Vasco

27/02/2018 às 18h21 - CLUBE

Já há um clima de pouca esperança no Vasco de que o clube recebe a verba de R$ 10 milhões acordada em contrato de patrocínio máster com a "Lasa Indústria Farmacêutica". Sem o aporte no período prometido, o presidente do clube, Alexandre Campello, notificou a empresa e deu mais dez dias para que o depósito fosse efetuado. Este prazo se expira ao fim desta terça-feira (27) e, caso não se cumpra o exigido, o Cruzmaltino deverá optar pelo caminho da rescisão por vias jurídicas. 

O curioso é que mesmo com tal pendência, o dono da Lasa, conhecido como "Doutor Dias", sequer tem respondido às tentativas de contato. O "sumiço" do empresário se estende até mesmo para compromissos pré-agendados para temas que abordam seu ramo, a medicina. Neste fim de semana, por exemplo, ele era um dos nomes citados entre os palestrantes do "Ciprres", o Congresso Internacional de Prevenção, Reabilitação e Rendimento Esportivo promovido pelo gerente científico do Vasco, Alex Evangelista. 

De acordo com a programação do evento, Doutor Dias, ao lado do profissional vascaíno, fará a abertura do congresso, mas sua presença já não está mais confirmada pois ele não responde aos contatos. 

No contrato firmado em 16 de janeiro de 2018, nos últimos dias da gestão Eurico Miranda, a empresa comprometeu-se a pagar R$ 10 milhões à vista e mais R$ 8 milhões diluídos até o fim deste ano, com possibilidade de renovação do acordo em dezembro. 

O UOL Esporte entrou em contato com o vice-presidente de marketing do Vasco na época da assinatura, Marco Antônio Monteiro. O ex-dirigente, porém, não quis falar sobre o assunto. 

"Eu já saí do Vasco tem mais de um mês. Eu não vou falar sobre Vasco em respeito à diretoria que está lá. Assim como respeitam de um lado, respeitamos de outro. Vocês (jornalistas) têm que procurar a diretoria que está lá. Eu não vou falar a favor ou contra. Se eu saí, saí. Se acabou, acabou", declarou por telefone. 

A reportagem, então, procurou o atual vice-presidente de finanças do clube, Orlando Marques. A seguinte pergunta lhe foi feita: "Temos uma informação de que o Doutor Dias, presidente da Lasa, não tem sido encontrado nos contatos que a diretoria do Vasco faz. O prazo do clube acaba hoje (27) mesmo?". 

O dirigente respondeu: "Sim. Estamos no aguardo da comunicação". 

Foi feita também uma tentativa de contato com a própria Lasa, no telefone disponibilizado em sua página oficial no Facebook, mas não se obteve um atendimento. 

Empolgado com seu feito nos últimos dias no comando cruzmaltino, Eurico chegou a tratar a parceria como "muito além de um simples patrocínio" e classificou a empresa como "revolucionária". Ainda no comunicado oficial, publicado no site do clube, o ex-presidente informava que a logomarca da Lasa já estaria estampada no uniforme a partir de 31 de janeiro, na estreia na segunda fase da Libertadores, contra a Universidad de Concepción (CHI). Veja abaixo: 

"O Club de Regatas Vasco comunica que um novo patrocinador master estampará sua marca em nosso uniforme a partir de 31 de Janeiro. A parceria, muito além de um simples patrocínio, traz a marca da inovação de uma empresa revolucionária de dimensão internacional. Os detalhes serão conhecidos na próxima semana. Os vascaínos ficarão orgulhosos com a parceria. Qualquer outra informação não passa de especulação". 

Com o imbróglio, porém, o uniforme segue "liso" até agora, com quatro partidas disputadas na Libertadores e seis no Campeonato Carioca. 

Site em construção e interação com internautas paralisada 

A Lasa Indústria Farmacêutica Ltda tem seu logradouro em Videira, interior de Santa Catarina. No site da empresa indiana "Maneesh Pharmaceuticals", consta que a fábrica catarinense foi comprada este ano por eles. O objetivo da parceria com o Vasco seria o de expandir o nome da marca no Brasil. 

O site da Lasa, porém, ainda está em construção. Quando se acessa o www.lasa.ind.br depara-se apenas com a mensagem "estamos chegando". 

A página oficial do Facebook conta com mais de 12 mil seguidores, uma grande parte que "curtiu" a empresa após o anúncio com o Vasco. 

Ainda há poucas publicações. No total são seis. O conteúdo é com teor de apresentação. Se definem como uma empresa que "produzirá as matérias-primas de seus principais produtos a partir de compostos bioativos da Floresta Amazônica". 

Até três semanas atrás, o perfil interagia com os internautas de forma bem humorada, como se pode ver no print abaixo, quando um seguidor questiona se Eurico Miranda ou Alexandre Campello serão comissionados com a parceria. Porém, já fazem dias que a interação paralisou-se. 

O Instagram oficial conta com três publicações e segue apenas um perfil: a empresa de publicidade "Hey Man Brasil", com zero publicações em tal rede social. Seu site oficial o direciona diretamente para a página no Facebook, que é pouco ativa. 

Fonte: UOL

Enquete

Você é favorável ao retorno de Antônio Lopes no cargo de dirigente?

Deixe seu comentario