Dono de ex-patrocinadora do Vasco some e clientes afirmam terem sido lesados

23/02/2019 às 10h02 - CLUBE

Um grupo de investidores procurou a polícia para denunciar um suposto estelionato por parte da JJ Invest, com sede no Rio. A empresa prometia ganhos de até 22% em aplicações e chegou a patrocinar o Vasco da Gama, mas fechou. Os ex-clientes afirmam ter perdido R$ 1,5 milhão e não sabem onde Jonas Spritzer Amar Jaimovick, o dono da JJ, está. 

O produtor de eventos Felipe Costa é um dos lesados. "Você vem desde os 16 anos fazendo uma boa reserva de dinheiro com um projeto de vida, com sonhos. E aí acontece um negócio desses? Você se sente, sei lá, sem forças, roubado. Traído", lamenta. 

A JJ tinha escritório em Copacabana e chegou a gerir recursos de cerca de 3.300 clientes. Para participar, era preciso aplicar, no mínimo, R$ 10 mil. A empresa cobrava uma taxa de 10% sobre os lucros. Quem quisesse sacar o dinheiro tinha que esperar só três dias. 

Em novembro de 2018, a JJ Invest fechou patrocínio com o Vasco e prometeu R$ 1 milhão para todo o ano de 2018, em parcelas de cerca de R$ 100 mil. Em novembro e dezembro, a JJ repassou o dinheiro. Em janeiro, o pagamento não caiu; o contrato foi rompido, e a marca saiu do uniforme dos atletas. 

Sucesso irregular 

Jonas Jaimovick é engenheiro de computação. Há quatro anos, decidiu trabalhar com investimentos, e os primeiros clientes foram amigos. A empresa cresceu: o capital investido pela JJ Invest chegou a R$ 300 milhões. 

Jonas está no radar das autoridades desde agosto de 2017, quando a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão do governo federal que monitora o mercado financeiro, divulgou um alerta. "Jonas Spritzer Amar Jaimovick e Spritzer Consultoria Empresarial Eireli - ME [razão social da JJ Invest] não estão autorizados a exercer quaisquer atividades no mercado de valores mobiliários." 

Segundo a CVM, o consultor e a empresa não podem prestar este tipo de serviço, sob pena de multa de R$ 5 mil por dia. Jonas e a JJ Invest não pararam, e a CVM fez um novo alerta ao mercado no mês passado. 

Alerta 

Os clientes começaram a desconfiar quando descobriram que todos os funcionários deixaram a empresa. O analista de sistemas Rodrigo Ribeiro foi um deles. "Eu fiz uma solicitação de resgate ao Jonas, e o saque não saiu", conta Felipe Costa. 

Logo depois, começou um burburinho nas redes sociais. "Soubemos que toda a equipe do Jonas tinha saído, inclusive gerentes, e aí começou a confusão", lembra. "‘Será que esse dinheiro existe, será que descobriram alguma coisa?', perguntavam", emenda Felipe. 

Os investidores se assustaram e decidiram sacar tudo o que tinham aplicado. "Segundo o Jonas, não tinha liquidez para pagar a todo mundo ao mesmo tempo. Algumas pessoas foram ao escritório e conseguiram receber de alguma maneira. Mas a grande maioria não conseguiu receber nada", diz Rodrigo. 

Sumiço 

A última aparição de Jonas foi em vídeo, gravado dia 14, em que pedia desculpas pelo sumiço. "Eu tô fazendo várias coisas ao mesmo tempo, tive que dar uma parada. Começou a aglomerar pessoas lá, e eu não tô tendo esse tempo pra conseguir fazer tudo o que eu preciso", disse. 

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal investigam a JJ Invest pela suspeita de crimes contra o mercado de capitais. Também há uma investigação na Polícia Civil. Até agora os clientes da empresa já registraram 30 queixas na Delegacia de Defraudações e abriram 13 processos na Justiça do Rio. Eles exigem a devolução dos valores investidos e indenizações por danos morais e materiais. 

O que dizem os envolvidos 

A CVM disse que há dois processos administrativos abertos para apurar denúncias feitas contra a JJ Invest. 

O Vasco da Gama explicou que interrompeu o contrato de patrocínio por descumprimento. 

Agentes da Delegacia de Defraudações fizeram buscas nesta quarta-feira para tentar achar Jonas, que está sendo investigado por suspeita de estelionato. 

Segundo a polícia, o advogado de Jonas disse que ele iria até a delegacia, mas até o momento ele não apareceu. 

Fonte: G1