Envolvido em polêmica, futuro de Jordi é incerto para 2020

10/11/2019 às 09h37 - CLUBE

Emprestado pelo Vasco, Jordi não estará em campo contra o clube que o revelou e detém seus direitos econômicos hoje (10), no estádio Rei Pelé (AL), por força contratual. Com vínculo com o CSA até dezembro deste ano, o goleiro viveu um turbilhão de emoções na equipe alagoana e ainda tem um 2020 incerto.

Sem espaço no Cruzmaltino, após não convencer nas vezes em que teve oportunidade, o jovem de 26 anos viu no CSA a chance de ter uma sequência de jogos na Série A e de provar seu valor. E conseguiu.

Mesmo com o time brigando contra o rebaixamento, o arqueiro se destacou e chegou a liderar o ranking de defesas difíceis do Campeonato Brasileiro, segundo o Footstats, mas uma lesão na coxa esquerda e uma polêmica interromperam sua guinada e também a relação de idolatria que já vivia com o torcedor.

A polêmica

Há cerca de duas semanas, circulou um vídeo nas redes sociais em que Jordi aparece no centro de treinamento do Mutange reclamando de falta de almoço e de talheres no local, e que por conta disso, comprou uma quentinha.

A gravação, que segundo o staff do goleiro havia sido enviada para um grupo de Whatsapp de jogadores e integrantes da comissão técnica do CSA, caiu muito mal no clube e entre os torcedores.

Jordi foi duramente criticado, a direção do clube negou suas denúncias e lhe aplicou uma multa.

O perdão

Triste com o vazamento e, principalmente, com a imagem arranhada perante ao torcedor do CSA, Jordi se retratou nas redes sociais e pediu desculpas. Uma conversa interna com a diretoria selou um perdão ao goleiro, que já está recuperado da lesão na coxa esquerda e ficará à disposição para a partida contra o Fortaleza, no dia 17, embora ainda não se saiba se voltará a ser titular.

Presidente do CSA, Rafael Tenório deixou claro que foram colocados "panos quentes" na situação, e revelou, inclusive, que recebeu sondagens de clubes da Série A por Jordi antes da lesão e da polêmica.

"Aquilo ali foi o seguinte: nós tivemos uma outra conversa com ele, e ele fez outro vídeo, se retratando, que aquilo não procedia. E eu como principal gestor do clube, e tenho especialização em gestão de pessoas, trabalho muito com a parte psicológica, emocional dos atletas, eu entendi perfeitamente a colocação dele, num momento em que às vezes você sai de sintonia... Conversei com ele na quarta, ele está bem. Eu falei para ele: 'A única coisa que ficou, até mais grave do que o que você fez, foi a sua contusão, porque você estava numa sequência de jogos muito boa. Eu já tinha inclusive sido consultado por dois clubes grandes da Série A, me perguntando sobre o seu extracampo, aquela coisa, e você se machucou e não pôde dar continuidade. E agora o treinador não pode tirar o João, que está muito bem', disse o dirigente ao UOL Esporte.

Futuro incerto

Detentor de seus direitos econômicos, o Vasco avalia como positivo o desempenho de Jordi no CSA e o goleiro tem chances de ser aproveitado em 2020, embora o clube ainda não tenha o procurado para sinalizar neste sentido.

Sem ainda estar matematicamente livre do rebaixamento, o Cruzmaltino ainda não entrou com toda a força no planejamento para a próxima temporada e nem mesmo definiu a permanência do técnico Vanderlei Luxemburgo.

Pelo lado do CSA, uma possível renovação do contrato dependerá bastante de que divisão o clube alagoano estará ano que vem.

"A ideia seria mantê-lo, mas o Jordi sempre teve o sonho de disputar uma Série A. Como ele não tinha a oportunidade lá no Vasco, veio ter conosco, então vai depender muito de como será a nossa situação. Se ficarmos na Série A, acredito que seria uma grande oportunidade, tanto para ele como para gente. Mas se, por ventura, não ficarmos, não sei se a intenção dele seria disputar uma Série B", disse Tenório.

Fonte: UOL Esportes