Erazo fala sobre ritmo de jogo, esforço, Zé Ricardo e mais

05/03/2018 às 20h29 - FUTEBOL

O Vasco vem de duas viradas com gols nos instantes finais do jogo no Campeonato Carioca e ainda terá mais duas partidas dessa competição antes de voltar para a Libertadores. Por mais que tenha o clássico contra o Fluminense na noite desta quarta, o foco segue compartilhado nos dois torneios, o que é inevitável.

Herói do Gigante da Colina na vitória por 4 a 3 contra o Boavista no último domingo, Erazo participou do programa "Tá Na Área" nesta segunda. Para o equatoriano, a estreia na fase de grupos da competição, contra o Universidad do Chile, vai reservar fortes emoções, até porque os dois lados já estão de olho uns nos outros. Apesar disso, segundo ele, o Vasco tem noção do que está fazendo.

- É um adversário complicado porque eles vêm estudando a gente e a gente também tem estudado eles. Alguém ouviu falar que eles estavam querendo levar o jogo para Cobreloa, por causa da altitude e porque teriam visto o jogo contra o Jorge Wilstermann. O rival sempre tenta aproveitar qualquer coisinha para tentar ter vantagem. Nós sabemos o que estamos fazendo. Amanhã a gente vai treinar novamente, pensando no jogo contra o Fluminense, mas também corrigindo os erros que a gente cometeu nas partidas anteriores.

Veja outros tópicos da participação do equatoriano no programa

Ritmo de jogo do time

- O Vasco está num momento importante da temporada. A gente tenta, obviamente, manter um nível de jogo. Depois que conseguimos a classificação na fase de grupos da Libertadores, rapidamente colocamos o foco no Carioca. O jogo contra o Boavista era crucial. Conseguimos a vitória, mas ficamos amargurados porque sabemos que poderíamos ganhar de outra forma. Sabíamos que seria um jogo difícil. Começamos muito bem e aos poucos vimos que o time do Boavista começou a atacar também. Todos os jogos do Carioca são difíceis e a gente sabe disso.

Esforço da equipe

- Uma coisa que eu tenho que parabenizar a equipe é que nunca deixam de lutar. No jogo anterior, a gente também fez um gol no finalzinho. Mas ainda temos muitas coisas para corrigir. Ficamos nos cobrando toda hora sobre posicionamento, concentração... O Zé é um cara que trabalha muito e todos gostam dele. A gente sempre tenta fazer o que ele quer dentro de campo. No próximo jogo vamos tentar cometer o mínimo de erros possível para conseguir uma boa vitória para a nossa torcida. Até porque a gente sabe que tem Libertadores. É muita coisa em jogo.

Zé Ricardo

- Ele se preocupa bastante (com a defesa). A gente vê que ele está trabalhando e vemos o que ele quer. A defesa não é só o goleiro e os zagueiros, é todo mundo. Todo mundo tem que se preocupar com bola parada, posicionamento... São coisas que o Zé está tentando acertar e que dentro de campo a gente tem que fazer. Ficamos muito frustrados quando a gente toma um gol de bola parada ou de desconcentração. Dói muito. Porque a gente sabe que a gente trabalha, nos cobramos muito em campo e quando acontece no jogo, ficamos muito chateados.

Objetivo traçado

- Mas eu acho que estamos no caminho certo. É importante reconhecermos se não estamos concentrados em determinado lance ou jogada. Não podemos deixar de acreditar no que estamos treinando. Temos que continuar acreditando porque daqui a pouco vai dar certo. Tentamos não tomar gol nos próximos jogos e retomar a confiança, porque é importante não tomar gol. Preferimos ganhar de 1 a 0 do que de 5 a 4, por exemplo. Não queremos tomar gol.

Fonte: SPORTV

Enquete

Você é favorável ao retorno de Antônio Lopes no cargo de dirigente?

Deixe seu comentario