Esporte Espetacular relembra goleada sofrida pelo Vasco em 2005

28/04/2019 às 08h29 - CLUBE

Qual seria o futuro de um goleiro ainda em início de carreira que sofre sete gols numa partida? E do treinador, que também dá seus primeiros passos na profissão, que perde por 7 a 2 logo em sua terceira partida no comando de uma equipe?

As respostas parecem óbvias, mas as trajetórias de Elinton e Renato Gaúcho que seguiram rumos positivos, apesar do que aconteceu na Arena da Baixada em 27 de julho de 2005, quando o Athletico-PR impôs uma goleada histórica ao Vasco. Neste domingo as duas equipes sem enfrentam no mesmo estádio, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

- Uma mulher grávida faria gol na gente - resumiu Renato Gaúcho, ainda no campo após a partida, ao analisar a atuação do Vasco naquele dia.

Assim como o Athletico, o Vasco estava na zona de rebaixamento da competição e se afundou numa grande crise. O desfalque daquela noite era Romário, já com 39 anos, poupado por causa de dores musculares.

Elinton era o quinto goleiro do Vasco naquela competição e disputava apenas sua terceira partida pelo Vasco. Depois do jogo, no retorno ao Rio de Janeiro, foi um dos que mais sofreram com hostilidades da torcida. A goleada decretou o fim de sua trajetória pelo Vasco, mas foi também um novo começo no futebol.

Depois de passar por clubes pequenos do Brasil e da Europa, Elinton foi contratado em 2009 pelo Olympique de Marselha, pelo qual disputou a Champions League. Hoje, aos 40 anos, é goleiro da seleção de futebol de praia de Portugal e já foi eleito duas vezes o melhor do mundo na posição. Mesmo assim, ele reconhece que ainda é difícil se desvincular daquela goleada.

- Eu lembro em 2012, fui jogar pela Champions League, jogo Olympique de Marselha x Bayern de Munique, quartas de final. A primeira pergunta do repórter, que era brasileiro, foi sobre o jogo entre Vasco e Athletico - disse ele ao Esporte Espetacular.

Sobre Renato Gaúcho já se sabe. Ele seguiu no comando do Vasco, o qual levou à final da Copa do Brasil de 2006. E nem mesmo dirigindo a equipe no primeiro rebaixamento do clube, em 2008, foi capaz de abalar sua trajetória. O treinador está há mais de dois anos no comando do Grêmio, com o qual conquistou títulos da Copa do Brasil e da Libertadores. Hoje tem até uma estátua.

Fonte: GloboEsporte.com