Ex-técnico de Vinícius se emociona com crescimento do jogador no Vasco

02/07/2020 às 09h45 - FUTEBOL

Quando Vinícius adentrar o gramado de São Januário hoje (2), a partir das 20h, e olhar para o outro lado do campo, certamente terá um sentimento de nostalgia. Foi lá no Madureira, adversário desta noite pela quinta rodada da Taça Rio, que o jovem atacante de 19 anos começou a ganhar holofotes e despertou o interesse do Vasco ainda para a categoria sub-15.

No Tricolor Suburbano, o jogador passou pelas mãos de Gilberto Coroa, ex-jogador do Cruz-Maltino na década de 80 e que hoje trabalha nas divisões de base do tradicional clube da zona norte do Rio de Janeiro.

O treinador admite que lhe causa emoção ver a ascensão de Vinícius no Vasco, e não se surpreendente com o estilo ousado do garoto dentro das quatro linhas.

"Ele vai para cima, joga assim o tempo todo. Assisti ao jogo do Vasco contra o Macaé e fiquei até emocionado", admitiu ao UOL Esporte.

Coroa fez questão também de exaltar sua personalidade e o suporte que a família tem dado na caminhada do atleta:

"Pela cabeça que ele tem e o suporte dado pela família, tenho certeza de que vai dar muitos frutos. Ele sempre foi assim, um garoto versátil, comprometido, que nunca chegou atrasado. É centrado e quer vencer na vida." 

Indicado por Coroa ao Vasco

Gilberto Coroa não somente treinou Vinícius nas categorias de base como também o indicou ao Vasco. De acordo com o treinador, isso aconteceu antes de um duelo entre o Cruz-Maltino e o Madureira no sub-15. 

"Ele era do mirim e subiu para o infantil. O botei para jogar do lado esquerdo e sempre foi muito diferenciado, ele ataca e também acompanha o lateral até o fundo. Eu o ajudei a ir para o Vasco. Na época, tinham clubes querendo levá-lo, então fui jogar contra o Vasco e, como tinha jogado no clube, avisei a eles para ficarem de olho no camisa 11. Lembro que ganhei esse jogo com um a menos e, ao término, eles confirmaram o que eu falei, que ele [Vinícius] era diferenciado", destacou Coroa.

A abordagem aos familiares para que Vinícius - que é cria da Vila da Penha, na zona norte do Rio - fosse do Madureira para o Vasco foi feita pelo ex-coordenador da base vascaína Álvaro Miranda, filho do ex-presidente Eurico Miranda.

"O Álvaro conversou com os pais dele ali mesmo atrás do gol", se recorda Gilberto.

Mantém contato e lembra gírias do treinador

Apesar de já estar no Vasco há quatro anos, Vinícius ainda mantém contato com seu antigo treinador. Gilberto Coroa revelou que falou com o atacante após a atuação de destaque domingo passado (28), na vitória cruz-maltina por 3 a 1 sobre o Macaé.

"Conversei com ele (Vinícius) depois do jogo e disse que ele havia me dado um domingo muito feliz", destacou o técnico.

Coroa revelou que, na conversa, Vinícius relembrou algumas de suas gírias no dia a dia dos treinamentos do Madureira.

"Ele disse: 'Vai comer um peixe, professor!', 'dá um gancho' (risos)".

No "dicionário" de Gilberto Coroa, "vai comer um peixe" é aplicado quando o jogador comete um erro no treino. Já o "dar um gancho" é efetuar um cruzamento na linha de fundo, algo que já está na ponta da língua dos atletas que passam pelas mãos do treinador. 

Ficou famoso no episódio do ladrilheiro

Quando foi jogador do Vasco, Gilberto ficou famoso no episódio com o ladrilheiro Roberto dos Passos Pereira, na decisão do Campeonato Carioca de 1981 contra o Flamengo.

Na ocasião, para ser campeão, o Cruz-Maltino precisava vencer três vezes consecutivas o Rubro-Negro. Depois de vencer os dois primeiros jogos, o clube de São Januário iniciou a partida decisiva perdendo por 2 a 0 e diminuiu aos 38 minutos do segundo tempo, colocando fogo na partida. Foi quando Roberto dos Passos invadiu o campo e deu início a uma grande confusão.

Gilberto Coroa, que estava próximo, deu um tranco e um empurrão no ladrilheiro, e outras pessoas se envolveram.

"O Nunes queria me bater (risos). Eu era um garoto. Tinha 20 e poucos anos", se recordou.

Fonte: UOL Esporte