Ex-técnico e ex-jogador do Vasco, Milton Mendes comenta acusação de assédio

06/11/2019 às 14h53 - IMPRENSA

São Paulo, SP, 06 (AFI) - Acusado de assédio por uma funcionária do hotel onde morou em Sorocaba, o treinador Milton Mendes se manifestou publicamente pela primeira vez, no programa do jornalista Elia Júnior, na Rádio Bandeirantes, de São Paulo. Milton foi claro ao explicar sua inocência e mostrar indignação com o que chamou de irresponsabilidade na divulgação, atingindo sua família.

“Eu queria agradecer o espaço que me foi dado porque não senti isso na hora que publicaram a notícia. Estava no meio de um jogo em Criciúma e fui informado no intervalo desta notícia que é mentirosa, leviana e irresponsável. Quem divulgou isso não mediu consequências ao não me deixar ouvir. Estou com meus advogados tomando conta do processo e vou até o fim para determinar minha inocência”, disse o treinador.

Ele também colocou à disposição qualquer depoimento seu para esclarecer. Para Milton, ser oriundo de uma família de mulheres lhe deu uma enorme consciência de como tratar uma, sendo atencioso e cortês.

“Tenho uma esposa maravilhosa e que está doente em Portugal, dois filhos lindos, sendo uma adolescente de 17 anos, duas irmãs e minha mãe. Todas me mostram o caminho sempre e sei que infelizmente não podemos demonstrar afeto e carinho pelas pessoas aqui no Brasil. Estou na Europa há mais de 25 anos e entendo que abraçar e até beijar educadamente não é uma ofensa", explicou.

MODOS
"Eu beijo meus jogadores! Morava no hotel há dois meses e você estabelece hábitos. Tudo com educação e respeito. Recepção, faxina, garçons, pessoas simples, todos merecem um tratamento bom. E assim sou e parece que esta senhora que me denunciou, não entendeu assim. Mas as câmeras mostram que não há nada e isso vai esclarecer este caso, que foi muito divulgado sem que me dessem direito igual de espaço. Espero que o mesmo ocorra quando sair a definição da verdade do caso”, completou Milton, que está em Criciúma e pronto a ser chamado para conversar e depor, sem qualquer dor de cabeça.

“Tenho 34 anos de futebol, hotéis e concentrações e sei muito bem como é isso. Em todos os locais que estive, sempre fui amável e carinhoso com estas pessoas que fazem o nosso dia a dia funcionar. Mas já vi que preciso mudar meu jeito de ser, mais recatado e mais quieto talvez. No entanto, pode ser que pensem que sou mascarado e até uma pessoa difícil. Mas será para me preservar”, anunciou um Milton emocionado, principalmente ao relatar o quanto isso devastou sua família, que mora na Ilha da Madeira e continua aflita com toda a repercussão do caso.

“Isso que mais me machuca, mas todos irão pagar por esta calúnia e esta atitude sem medir precedentes”, finalizou o ex-treinador do São Bento e que já constituiu advogado para a causa.

Fonte: Futebol Interior