Ex-VP de Marketing do Vasco, Bruno Maia fala sobre mudança na logo do BMG

08/07/2020 às 20h04 - CLUBE

Nos últimos dias, os torcedores de times patrocinados pelo Banco BMG tem feito campanhas nas redes sociais para que o banco aceitasse uma mudança nas cores da sua logo nos uniformes de forma a torná-los mais visualmente agradáveis.

O primeiro a ter uma resposta por parte do Banco foi o Corinthians. A empresa divulgou em suas redes sociais que uma vez que 50 mil contas digitais fossem abertas, a mudança seria aprovada. Até agora, nenhuma informação foi divulgada nos perfis do Meu Vasco BMG.

O Papo na Colina, através do repórter Lucas Rodrigues, entrou em contato com o ex-vice presidente de marketing do Vasco, Bruno Maia, e obteve mais detalhes sobre a posicionamento do banco no momento da assinatura do contrato. Perguntado se o assunto foi tratado enquanto ele ainda fazia parte do clube, Bruno disse: ''Foi discutido (a mudança nas cores). Eu era a favor que fosse preto, mas o banco era irredutível quanto a essa questão. Achava que seria um grande gesto deles abrirem mão, mas não acho que o clube tenha prerrogativa de influenciar nesta decisão. Se a logomarca não é ofensiva, vai do cliente defender a aplicação que achar mais adequada'', disse.

Bruno ainda comentou sobre a decisão do banco em condicionar a mudança à abertura de contas digitais, feita nas redes sociais do Corinthians, e a possibilidade do mesmo acontecer no Vasco.

''Não acho que misturar uma atitude com um simbolismo tão forte seja uma atitude correta em termos de marketing, por parte do banco. Eu não faria isso, mas não vou comentar se é certo ou errado o que venha a ser feito do lado do Vasco, pois não seria ético'', falou o ex-VP de Marketing cruzmaltino.

A mudança nas cores de patrocinadores para adequar aos uniformes é uma discussão antiga no futebol brasileiro. Desde a década de 80, quando os clubes começaram a estampar marcas em seus uniformes que os torcedores pedem por aplicações mais harmoniosas e que não descaracterizem camisas clássicas dos clubes brasileiros.

Fonte: Papo na Colina